Osteoporose Sinop, Mato Grosso

Conheça os fatores de risco de desenvolvimento da osteoporose em homens. As autoras Claudia Simões, Joseane Carvalho e Marcília Morais dissertam sobre a incidência dessa doença no grupo masculino. "Os homens também estão propensos a adquirir osteoporose, q Consulte a lista de especialistas da área, em Sinop.

Eliane Solange de Souza Pires
(65) 3617-1688
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Diogenes Garrio Carvaho
(66) 3426-5085
Papoulas 444 - Bl1 Casa 7
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
LUZES ESPAÇO TERAPEUTICO
(66) 9643-8121
RUA DAS ORQUIDEAS 1188
SINOP, Mato Grosso
Especialidade
TERAPIA REGRESSIVA EVOLUTIVA

Center Clin
(65) 3321-5658
r Br de Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Castro, Maria C D
(65) 3321-5658
r Br Melgaço, 2403
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Naíra Domingos Sé
(65) 3322-2504
Rua Rua dos Líriosº 525
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
CLINICA MOQUEGUA
0051942938882
AVENIDA IQUITOS 1395
BRASIL, Mato Grosso
Especialidade
FISIOTERAPIA

Dr. Luiz Augusto Pereira Inez de Almeida
(65) 9938-4456
Rua Marechal Floriano Peixoto, N° 49, Centro
Cuiabá, Mato Grosso
Especialidade
Alergia e imunologia clínica, Acupuntura e Clínica Médica

ALLORA CENTRO MEDICO DE LASER
(65) 3052-0322
AV. SENADOR FILINTO MULLER 274
CUIABÁ, Mato Grosso
Especialidade
LASER E ESTETICA

Cardioclin
(65) 3027-3040
r Joaquim Murtinho, 551
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Osteoporose

Fornecido por: 

Osteoporose - Os homens também correm o risco de ter osteoporose?

Estima-se que até 2.025 o número de fraturas femurais em homens seja igual ao das mulheres hoje (Costa, 1998). Embora com menor incidência, os homens também estão propensos a adquirir osteoporose, que é sempre secundária. A menor incidência de osteoporose primária deve-se ao maior pico de massa óssea adquirido pelo homem, à menor expectativa de vida e à ausência de menopausa.

Dados estatísticos sobre a doença nos homens:

a mortalidade e a morbidade em fraturas de fêmur é o dobro em relação às mulheres;

ocorre perda de osso cortical (osso compacto) de 2-4% a cada década, a partir dos 40 anos e de osso trabecular (osso esponjoso) de 7-12% a cada década, a partir dos 30-35 anos;

apresentam 15% de todas as fraturas compressivas osteoporóticas vertebrais;

ocorrem 20-25% do total das fraturas de fêmur nos homens (Costa, 1998).

Os fatores de risco são: Saúde em Movimento.com.br

histórico familiar de osteoporose e fraturas;

inatividade física;

tabagismo e/ou alcoolismo;

doenças malignas;

baixa ingestão de cálcio; Saúde em Movimento.com.br

síndrome de má absorção e/ou desnutrição;

ingestão em excesso de sódio, cafeína e proteínas;

uso prolongado de cortisona;

hipogonadismo;

gastrectomia;

doenças hepáticas que reduzem os níveis de testosterona.

O álcool diminui o nível de testosterona plasmática que diminui a atividade dos osteoblastos e leva a uma diminuição da osteocalcina sérica (cuja síntese depende de vitamina K). Como conseqüência, há uma diminuição da absorção de cálcio pelo intestino, ocasionando hipercalcemia e aumento da secreção do paratormônio. Ocorre então a hidroxilação hepática, ou seja, a redução de metabólitos séricos ativos de vitamina D. O álcool leva, também, ao aumento do cortisol plasmático.

O fumo é provavelmente um dos maiores fatores de risco, uma vez que, acredita-se, interfere na absorção intestinal de cálcio (Costa,1998).

Uma ingestão maior do que 320mg de cafeína por dia (3-4 xícaras de café) pode aumentar a calciúria (perda de cálcio na urina). O excesso de proteínas aumenta o sódio e o cálcio urinários devido à acidose metabólica.

Os corticóides aumentam a reabsorção e diminuem a formação óssea, além de causar efeitos semelhantes aos do álcool: diminuição da absorção intestinal de cálcio, hipercalcemia, aumento da secreção do paratormônio e estímulo da atividade osteoclástica.

O hipogonadismo é o decréscimo progressivo de testosterona, sendo que é maior nos indivíduos com doenças sistêmicas. Nos homens não há, via de regra, um quadro clínico muito evidente; alguns apresentam estresse, depressão, cansaço, desinteresse e perda da libido. A redução da produção desse hormônio começa, em 30% dos casos, a partir dos 40 ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net