Centro de Odontologia Estética Angra dos Reis, Rio de Janeiro

Encontre centro de odontologia estética em Angra dos Reis. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Dalmiro L Prado
(21) 2576-0847
Rua Silva Pinto 49 s 506
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Paulo César Bragança
(61) 3344-8338
CLSW 303 Bl A s/n s 122
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Otoniel Vieira dos Santos
(62) 3323-1539
Rua Argemiro N Souza 121
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Lívia Fernandes Xavier
(24) 2222-2664
Est União Indústria 9500
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Márcio Edson Flores
(51) 3559-7836
Rua Ipê 62
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Érika Fernandes
(35) 3221-3928
Av Rui Barbosa 385 sl 103
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
André Buainain
Rua Abrão Júlio Rahe 658
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Ana Maria e Dr Francisco Nilo
(85) 3245-2913
Av Gal Osório Paiva 744
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Sandra Guedes do Nascimento
(35) 3453-1314
Pc Francisco Avelino 402
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Márcio Cristiano Sartori
(54) 3223-8291
Rua Pascoal Smaniotto 283
Angra Dos Reis, Rio de Janeiro
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Centro de Odontologia Estética

Fornecido por: 

Flúor e cálcio atenuam efeitos de clareamento.

Pesquisa desenvolvida na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) revelou que o flúor e o cálcio atenuam os efeitos colaterais provocados pelo peróxido de carbamida, principal agente utilizado no tratamento para clarear os dentes.

O estudo, inédito no Brasil, é uma das principais conclusões da tese de doutorado recém-defendida pela dentista Vanessa Cavalli, sob orientação do professor Marcelo Giannini. O trabalho também demonstrou que alguns agentes usados para clareamento interno dos dentes diminuem a resistência da dentina, tecido vivo localizado logo abaixo da coroa e do esmalte.

"Embora a eficácia dos agentes clareadores apresente-se bem documentada, o uso exacerbado destas técnicas gera preocupação", observa Vanessa. Segundo ela, entre os efeitos colaterais observados em microscopia eletrônica de varredura e análises químicas e mecânicas, destacam-se o aumento da porosidade do esmalte clareado, rugosidades, erosão e desmineralização da superfície do esmalte. "Estes fatores dão margem ao surgimento de cáries e favorecem o retorno da cor indesejada", explica a pesquisadora, que desenvolveu o trabalho nos laboratórios da FOP, Instituto de Química da Unicamp, Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade do Vale do Paraíba e do Dental Research Center, na Universidade da Carolina do Norte, EUA.

Em busca de agentes mais seguros, Vanessa constatou, por meio de testes in vitro, que o flúor e o cálcio, adicionados separadamente aos géis clareadores, compensam as perdas sofridas durante o processo. Segundo ela, a adição desses íons ao gel promove a saturação do agente clareador e diminui a perda mineral do esmalte durante o tratamento.

A pesquisadora analisou os efeitos colaterais dos agentes clareadores em dentes saudáveis e em amostras com lesão inicial de cárie. Em ambos os casos, os testes revelaram que o tratamento clareador realizado com o peróxido de carbamida a 10%, sem a adição de flúor e cálcio, reduziu a microdureza e promoveu maior profundidade de desmineralização do esmalte. Nos dentes saudáveis, a perda de mineral foi de 45%, enquanto nas amostras com processo inicial de cárie esse índice foi de 30%. "Estas constatações tornam-se preocupantes, uma vez que, devido à notoriedade das técnicas clareadoras, observa-se em alguns casos a utilização desses agentes em pacientes que apresentam lesões iniciais de cárie", destaca Vanessa.

De acordo com a pesquisadora, os dentes comprometidos apresentam índice inferior de desmineralização porque o processo inicial da cárie torna-os naturalmente mais "reativos". "Clinicamente, o estrago só não é maior porque a saliva contém elementos como flúor, cálcio e fósforo, que acabam compensando as perdas em até 90%", explica. "No caso dos dentes comprometidos, a perda é menor porque a saliva é mais efetiva numa superfície com lesão inicial de cárie", completa.

As análises químicas realizadas com peróxido de carbami...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net