Centro de Pneumologia Angra dos Reis, Rio de Janeiro

Encontre centro de pneumologia em Angra dos Reis. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Julio Cezar dos Santos
(24) 2231-4572
Rua Mal. Deodoro 46
Petropolis, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Melissa Mazzoni Vieira
(21) 2401-9418
Rua Francisco Real 752
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Alexandre Mônaco
(21) 2719-7680
R Miguel de Frias 77 - Sl. 813 a 816
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Caíto Petroni Lemes
(21) 3316-2900
Rua Jaguaruna 105 - 4º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Francisco Eduardo Sampaio Fagundes
(21) 2286-4242
Rua General Polidoro 192
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Heleine Laudelina de Almeida
24871615
Av. das Américas 16355 (cob.02) Recreio
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Beatriz Ohana
(21) 3353-4114
Avenida das Américas7935 SUNPLAZA bloco 1 sala 718 Barra da Tijuca
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Clarisse de Oliveira Waldstein de Moura
(21) 2622-2563
R Mem de Sa 19 - Sl. 1005
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Paulo Marcos Nunes Valiante
(21) 2234-1003
Rua Sergipe 14 - 2º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Centro de Pneumologia

Fornecido por: 

Deficiência para a completa arterialização do sangue que passa através dos pulmões, causando hipoxia (paO2 menor que 8 kPa ou 60 mmHg) e/ou hipercapnia (paCO2 maior que 6 kPa ou 45 mmHg).


CAUSAS TÓXICAS

Secundária à falência ventilatória por:

  • Depressão de sistema nervoso central de origem tóxica
  • Fraqueza de músculos ventilatórios
    Botulismo
    Praguicidas carbamatos
    Relaxantes musculares
    Praguicidas organofosfados e armas químicas
    Picada de cobra
    Estricnina

Secundária à patologia pulmonar

  • SARA
  • Edema pulmonar cardiogênico
  • Cloro e outros gases irritantes
  • Edema pulmonar não-cardiogênico
  • Paraquat
  • Aspiração pulmonar e pneumonite
    carvão ativado,
    conteúdo gástrico
    hidrocarbonetos
  • Inalação de fumaça


CAUSAS NÃO-TÓXICAS

  • Asma brônquica
  • Bronquiectasia
  • Edema pulmonar cardiogênico
  • Doença obstrutiva crônica
  • Diminuição do nível de consciência de etiologia não-tóxica
  • Fraqueza muscular de etiologia não-tóxica (miastenia gravis)
  • Trauma torácico
  • Pneumonia
  • Tromboembolismo pulmonar
  • Obstrução de vias aéreas superiores


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

As manifestações clínicas são aquelas predominantemente decorrentes da intoxicação de base.

Quando a insuficiência respiratória é decorrente de depressão de SNC, o paciente terá uma diminuição do nível de consciência e diminuição da freqüência respiratória (menor que 10 movimentos/minuto) e/ou do volume respiratório.

Quando a insuficiência respiratória é secundária à paralisia de músculos respiratórios, haverá uma fraqueza muscular generalizada e predominantemente uma diminuição do volume respiratório.

Quando a insuficiência respiratória é secundária à patologia pulmonar, a freqüência respiratória e o volume podem ambos estar aumentados.

As manifestações clínicas de hipercapnia e hipoxia em pacientes não-comatosos são inquietação, agitação, dispnéia e cianose. A intensidade da cianose não é um reflexo preciso da gravidade da insuficiência ventilatória.

Hipercapnia produz vasodilatação cerebral e pode levar ao aumento da pressão intracraniana e edema cerebral. Clinicamente, isto se manifesta por cefaléia e sonolência progredindo para o coma. Perifericamente, a acidose associada com hipercapnia produz vasodilação resultando em membros quentes.


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

  • Gasometria arterial. Revela uma acidose respiratória (pH 45 mmHg), que pode estar parcialmente compensada por um aumento da concentração de HCO3. A pO2 está diminuída se Oxigênio suplementar não foi administrado. A elevação da pCO2 é o melhor parâmetro da gravidade da insuficiência ventilatória
  • Raio X de tórax
  • ECG


TRATAMENTO

O tratamento é de suporte. Todos os pacientes devem receber Oxigênio suplementar. Pacientes comatosos devem ser entubados e te...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net