Centro médico de neurologia Pelotas, Rio Grande do Sul

Encontre centro médico de neurologia em Pelotas. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Maria Cristina G Barbosa e Silva
(53) 3273-5103
Rua Senador Mendonça 301 - 403
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Claudete Mariza Dias Correa
(53) 222-1806
Rua Anchieta 2293
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Melissa Marcanzoni Bortolotto
(51) 3486-1291
Papa João Xxiii 28
Gravatai, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Marcio Pereira Hetzel
(51) 3214-8000
Av Independencia 330 - Sl. 201
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
GISLAINE ROCHA DE QUADROS
(51) 8171-2976
Consultório de Fonoaudiologia em Canoas
Canoas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Foniatria

Dados Divulgados por
Marilene Lucas Oliveira Bicca
(53) 3222-7398
Rua Anchieta 2396
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Jose Antonio Leivas Lang
(53) 3222-5522
Rua Padre Anchieta 2445
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Carlos Roberto R. Vargas e Cia
(53) 3231-3500
Marechal Floriano Peixoto 508
Rio Grande, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Jairo Aparicio Andrade Bueno
(51) 3330-3658
Ramiro Barcelos 1819 - 101
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Jorge David Rocha Zanol
(51) 3333-9393
Nilopolis 145
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Centro médico de neurologia

Fornecido por: 

A doença de Parkinson - ou parkinsonismo primário - foi descrita pela primeira vez por James Parkinson em 1817. O Dr. Parkinson (1755-1824) era membro do colégio real de cirurgiões da Inglaterra. Inicialmente a doença foi descrita como "paralisia agitante".

A doença acomete principalmente indivíduos idosos. Sua incidência em indivíduos acima dos 60 anos é de 1%, o que corresponde a 5 vezes a incidência na população geral, que fica em torno de 0,2%.

Resumidamente, podemos dizer que a diminuição de uma substância chamada dopamina, causada pela morte de neurônios da substância negra, leva à incapacidade de coordenação motora e efeitos em outros sistemas, caracterizando a doença de Parkinson. A doença também se caracteriza por distúrbios do movimento, como por exemplo: tremor de repouso, lentidão dos movimentos, rigidez muscular, instabilidade postural.

A s causas da doença de Parkinson

Apesar dos novos conhecimentos adquiridos nos últimos anos, a causa da doença de Parkinson permanece desconhecida. Provavelmente, existem múltiplos fatores que se somam: fatores genéticos, ambientais e envelhecimento, visto que a maioria dos pacientes tem início dos sintomas entre 55 e 65 anos.

Dentre os vários mecanismos possivelmente implicados na degeneração celular da doença de Parkinson, os seguintes têm sido objetivo de especial interesse dos cientistas:

  • ação de neurotoxinas ambientais;
  • produção de radicais livres;
  • anormalidades mitocondriais;
  • predisposição genética;
  • envelhecimento cerebral.

Há estudos que mostram maior prevalência da doença em populações que habitam áreas rurais, onde há uso marcante de agrotóxicos e também em áreas próximas a indústrias siderúrgicas, metalúrgicas e químicas.

É importante lembrar que a doença de Parkinson não tem uma causa estabelecida, mas existem muitas causas de parkinsonismo: causas infecciosas; uso de medicações, tais como neurolépticos e cinarizina, doença de Wilson; vascular; calcificação familiar dos gânglios da base, etc.

O s sintomas da doença

Muitas vezes é difícil para o paciente saber em que momento começaram os sintomas. São raros os casos de aparecimento abrupto dos sintomas e nesses casos deve-se pesquisar causas de parkinsonismo secundário.

As quatro principais manifestações são o tremor de repouso, a rigidez muscular, a lentidão de movimentos e a instabilidade postural. Pode haver diversos outros sintomas associados, tais como o declínio na função intelectual, depressão, manifestação autonômicas (por exemplo: suor excessivo, seborréia, Síndrome de Horner).

O tremor de repou...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net