Clínica Dentária Porto Velho, Rondônia

Encontre cl´nica dentária em Porto Velho. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Débora A Anchieta
(79) 3205-2055
Av João Ribeiro 1388
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
José Omar de Carvalho Leite
(51) 3661-1521
Av Fernandes Bastos 408
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Antônio N Cordova
(49) 3222-4225
Rua Pres Nereu Ramos 73 s 1
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Fabrício Ruzzarin
(54) 3225-1017
Rua Visc de Pelotas 905 s 31
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
João Bosco Leal Nunes
(38) 3841-1250
Rua Mendo Corrêa 212
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Luciano Araújo
(34) 3242-2699
Rua Floriano Peixoto 1218
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Francisco Miguel Stroparo
(41) 3222-9909
Rua Emiliano Perneta 424 cj 141
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
José Onofre Lopes
(28) 3522-8854
Pc Jerônimo Monteiro 57 ap 801
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Giordano da Silva Finholdt
(64) 3623-5874
Rua Juca Bailão 961
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Marcondes Fernandes Fº
(34) 3841-2931
Pc D Eduardo 317
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Dentária

Fornecido por: 

Pesquisa inédita na odontologia mundial, desenvolvida na Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP, comprova que o cimento Portland, largamente utilizado na construção civil, poderá revolucionar o tratamento endodôntico (tratamento de canal). O trabalho da dentista Ana Paula Camolese Fornetti aponta que o produto mostrou-se eficaz no tratamento da polpa dentária (nervo) em crianças com dentes de leite, com vantagens terapêuticas e financeiras. Os resultados do estudo serão divulgados em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira (29), na FOB, em Bauru (interior de São Paulo).

Apesar dos resultados, a adoção do material dependerá de novas pesquisas, tanto em dentes decíduos (de leite), quanto permanentes. O estudo faz parte do projeto de Mestrado de Ana Paula, desenvolvido na disciplina de Odontopediatria do Departamento de Odontopediatria, Ortodontia e Saúde Coletiva da FOB. Segundo a dentista, o cimento Portland poderá substituir os dois principais produtos existentes no mercado para tratamento endodôntico, o formocresol e o MTA (agregado trióxido mineral). "A vantagem com relação ao primeiro é que o cimento é biologicamente compatível com os tecidos dentários", diz a dentista, "e com o segundo, é o preço, pois o MTA tem um custo muito elevado".

Foram avaliadas 68 crianças entre 5 e 9 anos de idade. "Além da redução de custos, o cimento traz a vantagem da biocompatibilidade, ou seja, o organismo aceita naturalmente o material, o que não acontece com o formocresol de Bukcley, substância introduzida em 1904 e mundialmente utilizada até hoje", conta a dentista. "Pesquisadores do mundo inteiro buscam alternativas capazes de unir ganhos terapêuticos e econômicos para esse tipo de tratamento", diz Ana Paula.

O cimento não traz conseqüências carcinogênicas (relacionadas ao câncer) e nem é tóxico. "Quanto ao formocresol, mesmo apresentando resultados satisfatórios, não há unanimidade na comunidade científica quanto aos seus efeitos colaterais", compara a dentista. "Já o MTA é biocompativel, porém tem um preço elevado em comparação aos seus concorrentes". Um grama do produto custa R$ 210,00, enquanto o valor médio de um quilo de cimento nas lojas de construção é de R$ 0,30. Um frasco de 20 ml de formocresol custa R$ 4,40.

Bactericida

De acordo com o professor da FOB, Ruy César Camargo Abdo, orientador da pesquisa, os resultados obtidos com o cimento Portland são semelhantes aos apresentados pelo MTA, sob o ponto de vista terapêutico. "A única diferença é que no MTA é acrescido o óxido de bismuto, uma substância radiopaca que permite visibilidade radiográfica, mas que não apresenta nenhuma função terapêutica", explica. "O cimento de construção é feito basicamente de calcário, não traz toxidade neste tipo de utilização e é bactericida por natureza, uma vez que possui um pH altamente alcalino". O produto utilizado na pesquisa foi esterilizado.

O estud...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net