Clínica Gástrica Niterói, Rio de Janeiro

Encontre clínica gástrica em Niterói. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Herbert Praxedes-Hematologia Pat.Onc.e
(21) 610-7147
Rua Coronel Moreira Cesar 229
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Sonia Cristina Moreira Borges
(21) 2610-0674
Rua Gavião Peixoto 148 - Sala 601
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Fausto Jose Santos Soares
Rua Miguel de Frias 88 - 1204
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Larissa Correa Prieto
Est. Francisco da Cruz Nunes 5803
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Regina Granato Laboratorio Ltda
(21) 2544-1547
R. Cel. Serrado 688
Sao Goncalo, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Clarisse de Oliveira Waldstein de Moura
(21) 2622-2563
R Mem de Sa 19 - Sl. 1005
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Alexandre Mônaco
(21) 2719-7680
R Miguel de Frias 77 - Sl. 813 a 816
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Jose Antonio Abi Ramia
(21) 2189-9191
Rua Domingues de Sa 410 - Hospital
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Paulo Marcos Nunes Valiante
(21) 2234-1003
Rua Sergipe 14 - 2º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Gástrica

Fornecido por: 

O tratamento com laser de CO2 diminuiu substancialmente a halitose ou mau hálito, principal queixa dos pacientes com tonsilite crônica caseosa, doença mais conhecida como amigdalite crônica. Testada pela cirurgiã-dentista Ana Cristina C. Dal Rio Teixeira em pacientes do Hospital das Clínicas da Unicamp (HC), a técnica mostrou-se eficaz, podendo ser adotada na terapêutica de pacientes que apresentem sintomas da doença. Além da melhora da halitose, o tratamento tem a vantagem adicional de preservar as amígdalas, sem a necessidade de métodos invasivos. Para aplicá-lo, basta um procedimento ambulatorial, com anestesia local. A aplicação do laser é feita de quatro a seis sessões, com intervalo mínimo de quatro semanas entre os procedimentos.

A técnica de laser de CO2 foi desenvolvida em 2004 na Unicamp, pela equipe da professora e orientadora do trabalho de Ana Cristina, Ester Nicola, da Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Os testes contemplaram 49 pacientes, mas a cirurgiã-dentista estima que a técnica já tenha sido aplicada em mais de 300 pessoas. O alto custo do laser ainda é um desafio. No entanto, Ana Cristina avalia que sua aplicação está cada vez mais presente nos consultórios.

A tonsilite crônica caseosa é uma doença com grande incidência na população brasileira, acometendo adultos e jovens de ambos os sexos. É caracterizada pela formação de cáseo, uma massa consistente, nem sempre visível, que se forma nas profundidades das criptas amigdalianas, devido à retenção de células descamadas, restos alimentares, saliva e bactérias. Por isso, havia a suspeita de que a formação de cáseos era o responsável pelo mau hálito, o que foi comprovado com o estudo de Ana Cristina. O estudo também avaliou rigorosamente os efeitos da aplicação do laser, concluindo que a técnica promove o aumento da abertura da cripta, evitando assim a retenção de alimentos e outras substâncias que servem de substratos para as bactérias produtoras do mau hálito.

Num primeiro momento, a cirurgiã-dentista comparou, por meio da halitometria - exame que possibilita medir o grau de halitose -, os pacientes com e sem cáseo. Esse procedimento foi necessário para que se quantificasse a sua influência na produção do mau hálito. Na seqüência, Ana Cristina estudou os pacientes antes, durante e depois das aplicações, para aferir o nível de redução da halitose. Em todos os casos, observou-se a melhora e uma queda significativa, em torno de 30%, marca considerada satisfatória pela cirurgiã-dentista.

Em uma avaliação mais geral, a cirurgiã-dentista constatou também que os pacientes apresentaram um quadro de melhora na auto-estima e na auto-confiança. Embora a halitose não ofereça risco de vida nem seja uma doença contagiosa, o incômodo e a insegurança são muito grandes. "Não só os portadores, mas também as pessoas que os cercam sofrem com a presença da halitose", argumenta.

As pessoas que possuem mau hálito não percebem o moment...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net