Clínica Gástrica Sete Lagoas, Minas Gerais

Encontre clínica gástrica em Sete Lagoas. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Raul Fernando Binato Lamim
(32) 3214-2567
Av Rio Branco 2370 - 608
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Wulmar dos Santos Bastos
(32) 3215-6489
Av Rio Branco 2406 - 4 Andar
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Maria Augusta Gomes Pereira
(31) 3221-5200
Av. do Contorno 4852 - Sala 408
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Terezinha de Jesus Martins da Silva
(32) 3216-8364
Av Rio Branco 2721 - 905
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Jose Carlos Serufo
324-1516
R Domingos Vieira 587 - Sala 715
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Enio Cardillo Vieira
(31) 3296-9889
Rua Bernardo Mascarenhas 338
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Paulo Gomes de Miranda
3461-5556
Av Mantiqueira 657
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Carlos Moreira Silva
(34) 3823-3700
Rua Tiradentes 260
Patos de Minas, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Marco Antonio Basbaum
(31) 3286-3825
Av. Raja Gabaglia 4961 - Salas 108 a 112
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Jorge Eustaquio Heredia
(32) 3215-1016
Av Rio Branco 2370 - 1204
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Gástrica

Fornecido por: 

O tratamento com laser de CO2 diminuiu substancialmente a halitose ou mau hálito, principal queixa dos pacientes com tonsilite crônica caseosa, doença mais conhecida como amigdalite crônica. Testada pela cirurgiã-dentista Ana Cristina C. Dal Rio Teixeira em pacientes do Hospital das Clínicas da Unicamp (HC), a técnica mostrou-se eficaz, podendo ser adotada na terapêutica de pacientes que apresentem sintomas da doença. Além da melhora da halitose, o tratamento tem a vantagem adicional de preservar as amígdalas, sem a necessidade de métodos invasivos. Para aplicá-lo, basta um procedimento ambulatorial, com anestesia local. A aplicação do laser é feita de quatro a seis sessões, com intervalo mínimo de quatro semanas entre os procedimentos.

A técnica de laser de CO2 foi desenvolvida em 2004 na Unicamp, pela equipe da professora e orientadora do trabalho de Ana Cristina, Ester Nicola, da Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Os testes contemplaram 49 pacientes, mas a cirurgiã-dentista estima que a técnica já tenha sido aplicada em mais de 300 pessoas. O alto custo do laser ainda é um desafio. No entanto, Ana Cristina avalia que sua aplicação está cada vez mais presente nos consultórios.

A tonsilite crônica caseosa é uma doença com grande incidência na população brasileira, acometendo adultos e jovens de ambos os sexos. É caracterizada pela formação de cáseo, uma massa consistente, nem sempre visível, que se forma nas profundidades das criptas amigdalianas, devido à retenção de células descamadas, restos alimentares, saliva e bactérias. Por isso, havia a suspeita de que a formação de cáseos era o responsável pelo mau hálito, o que foi comprovado com o estudo de Ana Cristina. O estudo também avaliou rigorosamente os efeitos da aplicação do laser, concluindo que a técnica promove o aumento da abertura da cripta, evitando assim a retenção de alimentos e outras substâncias que servem de substratos para as bactérias produtoras do mau hálito.

Num primeiro momento, a cirurgiã-dentista comparou, por meio da halitometria - exame que possibilita medir o grau de halitose -, os pacientes com e sem cáseo. Esse procedimento foi necessário para que se quantificasse a sua influência na produção do mau hálito. Na seqüência, Ana Cristina estudou os pacientes antes, durante e depois das aplicações, para aferir o nível de redução da halitose. Em todos os casos, observou-se a melhora e uma queda significativa, em torno de 30%, marca considerada satisfatória pela cirurgiã-dentista.

Em uma avaliação mais geral, a cirurgiã-dentista constatou também que os pacientes apresentaram um quadro de melhora na auto-estima e na auto-confiança. Embora a halitose não ofereça risco de vida nem seja uma doença contagiosa, o incômodo e a insegurança são muito grandes. "Não só os portadores, mas também as pessoas que os cercam sofrem com a presença da halitose", argumenta.

As pessoas que possuem mau hálito não percebem o moment...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net