Clínica Obstétrica Boa Vista, Roraima

Encontre clínica obstétrica em Boa Vista. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Alceste Madeira Almeida
(95) 224-6064
tv Castelo Branco, 1200, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Mario Cesar Callegari
(95) 623-0480
pc Santos Dumont, 1706, Mecejana
Boa Vista, Roraima
 
DR Suzete Mota
(95) 971-1272
r Barreto Leite, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Odete Irene Domingues
(95) 224-6014
av Major Willians, 1810, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Oo Centro de Ultrasonografia DR José Antônio
(95) 623-1275
r Mario Homem de Melo, 9, cs 9, Nova Canaã
Boa Vista, Roraima
 
Paulo Roberto Lima
(95) 224-4310
av Nossa Senhora da Consolata, 1115, e, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Clínica Mater Del Consultas e Exames
(95) 224-9197
r Coronel Mota, 1534, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Lel Tavora
(95) 224-0899
av Major Willians, 1203, Centro
Boa Vista, Roraima
 
Centro Clínico Radiológico Sc Ltda Ccrx Radioimagem
(95) 224-7999
r Araújo Fl, 659, Centro
Boa Vista, Roraima
 
DR José Antônio
(95) 623-1275
r Mario Homem de Melo, 9, cs 9, Nova Canaã
Boa Vista, Roraima
 

Clínica Obstétrica

Fornecido por: 

Uma nova técnica de citoscopia fetal, que utiliza terapia a laser para realizar a desobstrução, vem sendo aplicada no diagnóstico e tratamento de casos graves de feto com obstrução na bexiga. O método é minimamente invasivo, evitando os riscos das cirurgias feitas com a abertura da barriga da mãe e do feto. Os instrumentos utilizados no tratamento foram desenvolvidos pelo médico obstetra Rodrigo Ruano, pesquisador no HC.

A obstrução da bexiga ocorre aproximadamente em cada 2 mil nascidos vivos.“Em casos mais graves, a obstrução acontece por não formação do canal da uretra (atresia de uretra) ou pela existência de uma membrana conhecida como válvula de uretra posterior”, afirma Ruano, que também é professor da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). “Como a urina não pode sair, a função renal do feto é comprometida, ao mesmo tempo em que acontece a carência de líquido amniótico, o que prejudica o desenvolvimento dos pulmões.
 
O objetivo do médico era criar uma técnica com função diagnóstica e terapêutica. Os casos mais graves são identificados por ultra-som convencional, no pré-natal, entre 12 e 20 semanas de gestação. Para identificar o tipo de obstrução, Ruano utilizou uma agulha de 2,2 milímetros. “Guiada por ultra-som, ela atravessa a barriga da mãe, o útero e a barriga do feto, entrando na bexiga e fazendo a identificação do problema por meio de endoscopia”, conta.
 
Quando é identificada válvula de uretra posterior, um laser é introduzido na agulha para fazer a remoção da membrana. “O procedimento é feito em casos de obstrução completa, ausência de líquido amniótico e função renal razoavelmente preservada, até a vigésima sexta semana de gestação”, descreve o obstetra. Para os casos de obstrução por não formação do canal da uretra, que representam cerca de 30% a 40% das ocorrências mais graves, não há tratamento ainda.
 
Resultados

Desde que a técnica começou a ser utilizada no HC, em meados de 2006, foram identificados dez casos graves de fetos com obstrução da bexiga com a nova técnica. Seis deles apresentavam válvula de uretra posterior, passível de tratamento, sendo que quatro sobreviveram. “São resultados promissores”, ressalta o médico. &ldq...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net