Clínica Terapêutica Ji-Paraná, Rondônia

Encontre clínica terapêutica em Ji-Paraná. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Mariangela Aloise onofre
(69) 8402-6782
Rua Marechal Deodoro, 1956 - sala 5
Porto Velho, Rondônia
 
INSTITUTO AMAGO
(69) 3211-4142
RUA D. PEDRO II , 637 SALA 506 CENTRO
Porto Velho, Rondônia
 
Consultório Psicologia Dra Dione Pesanha
(69) 3223-7446
r Abunã, 1796, São João Bosco
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
CAE-Centro de Atendimento Especializado
(69) 3224-2955
r Abunã, 2914, Liberdade
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Psicóloga-Iris Lúcia Caye Oliveira
(69) 3223-9896
r Sen Álvaro Maia, 1747, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Instituto Integrar
(69) 9978-9024
r Julio de Castilhos, 269 Sala 206
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia
(69) 3224-2374
r Tenreiro Aranha, 3000, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Psicologia e Psicomotricidade Dr. João Guilherme Rodrigues Mendonça
(69) 3229-9412
r Tenreiro Aranha, 2272, Centro
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Terapia Integrada
(69) 3221-6281
r Rogério Weber, 2621, Caiari
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Centro de Desenvolvimento Humano
(69) 3026-6491
av Rafael Vaz Silva, 1451, Nossa Sra. das Graça
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Terapêutica

Fornecido por: 

Na FMRP, uma das poucas linhas de pesquisa brasileiras sobre a analgesia por estimulação elétrica tem obtido resultados muito bons no período de recuperação de alguns tipos cirúrgicos, inclusive diminuindo a ingestão de medicamentos. "Após 24 horas, a dor se mantinha mais reduzida no grupo que usou a TENS do que nos grupos que receberam apenas placebo ou terapia medicamentosa". 
  
Apesar de ser pouco difundida no Brasil, a redução de dores pelo uso de correntes elétricas (TENS, sigla em inglês para Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea) pode ajudar a melhorar a qualidade analgésica de pacientes no período pós-operatório. "Além disso, o uso combinado aos tratamentos analgésicos convencionais tende a diminuir a quantidade de medicamentos ingeridos com esta finalidade", afirma a fisioterapeuta Josimari Melo de Santana, doutoranda do Departamento de Biomecânica, Medicina e Reabilitação do Aparelho Locomotor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

Em sua pesquisa, orientada pela professora Gabriela Rocha Lauretti, Josimari estuda a aplicação da TENS na analgesia após laqueaduras, procedimento inédito na área de saúde. O seu grupo de pesquisa tem desenvolvido, desde 2002, métodos bem sucedidos para minimizar a dor para outros tipos cirúrgicos, como cirurgias de vesícula, de hérnia inguinal e de correção perineal (que engloba a região genital e anal). "Infelizmente, nós estamos praticamente sozinhos, no Brasil, nesta linha de pesquisa", lamenta.

A eficiência da TENS tem surpreendido especialistas em dor no mundo inteiro e os resultados são cada vez mais promissores. "A TENS é segura, não-invasiva, não causa efeitos adversos e nem dependência física ou química", relata a fisioterapeuta. As principais desvantagens da terapia são o efeito de tolerância, assim no uso dos fármacos, e a necessidade de associação a medicação para tratamento de dores mais severas. Por isso que ela é indicada principalmente como adjuvante terapêutico, que combinado a outros tipos, potencializa o efeito analgésico do tratamento.

No entanto, mesmo sozinha a TENS pode ter resultados superiores aos de fármacos analgésicos. Aplicações em pacientes submetidos à cirurgia de hérnia inguinal mantiveram a redução da dor mesmo sem a aplicação contínua da corrente elétrica. "Após 24 horas, a dor se mantinha mais reduzida no grupo que usou a TENS do que nos grupos que receberam apenas placebo ou terapia medicamentosa".

Recomendações

Casos como estes são muito relevantes no tratamento analgésico de pacientes que apresentam disfunção nos rins ou no fígado, órgãos que têm participação no processo de metabolização de medicamentos. "Alguns pacientes com deficiência nestes órgãos têm contra-indicações para usar determinadas medicações", explica Josimari. Assim como em situações de tolerância ou reação alérgica a determinados fármacos, que impedem que eles...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net