Clínica de Acupuntura Valinhos, São Paulo

Encontre clínica de acupuntura em Valinhos. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

LESLIE ROSE DE BARROS
(19) 3254-1401
R Maria Monteiro 786 sala 44 - Cambuí
Campinas, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Berenice Cunha Wilke
(19) 3289-8082
Rua Maria Tereza Dias da Silva 400
Campinas, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Adriana Celeste Gebrin
3755-8800
Sampainho 45
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Júlio da Silva Pinto
(19) 3232-9971
Rua Bernardo Jose Sampaio 339 - 3º Andar - Cj 34
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Claudio Hideyo Assato
(19) 3243-5667
Rua : frei Antonio de Padua 531 Guanabara
Campinas, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Marcos Tiago Cervi
(19) 3518-3000
Rua José Pires Neto 160
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Rosangela Deliza
Rua Santa Cruz 175
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Fabio Augusto Portes Tmbasci
(19) 3287-5500
Rua Edilberto Luiz Pereira da Silva 150
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Jose Ribeiro de Menezes Netto
Rua Barao de Itapura 1518
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Wesley Roberto Rafael
(19) 3272-0489
Rua João Felipe Xavier da Silva 384
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Acupuntura

Fornecido por: 

Um tratamento complementar de acupuntura a cada três meses melhora consideravelmente a saúde de doentes de fibromialgia, se comparado a pacientes que passam somente pelo tratamento convencional, com medicamentos e fisioterapia. Essa é a conclusão da tese defendida em agosto pela médica Rosa Alves Targino de Araújo, na Faculdade de Medicina (FMUSP) da USP.

O estudo, que será premiado no Congresso da Sociedade para a Pesquisa em Acupuntura (SAR) em novembro, nos Estados Unidos, mostrou resultados positivos em pacientes de 21 a 71 anos, submetidos a 20 sessões de acupuntura, duas vezes por semana. Os três meses que se seguiram à ultima sessão mostraram-se benéficos. Depois disso, provavelmente seria necessário outro bloco de 20 sessões. Durante dois anos, foram acompanhadas 58 mulheres. Em 34 delas foi aplicada a acupuntura, além da terapia convencional. As 24 restantes fizeram parte do grupo controle.

"Não se encontrou, ainda, um tratamento efetivo e específico para essa síndrome complexa. O que se busca hoje é o alívio sintomático da dor, e como há necessidade de medicamentos antidepressivos, por exemplo, é importante buscar outras terapêuticas apropriadas, que cheguem à sua origem para melhora dos sintomas e da qualidade de vida", comenta Rosa. Segundo a médica, a literatura científica fala da eficácia da acupuntura para reduzir os efeitos da síndrome. "Na tese, concluo que a associação da acupuntura ao tratamento convencional, com antidepressivos e exercícios, é benéfica para doentes com fibromialgia no período de três meses após o término do tratamento, bem como melhora a dor e a qualidade de vida".

Resultados

Durante o pós-tratamento, 10 dos 34 pacientes que receberam acupuntura, quase 30%, saíram do critério de diagnóstico de fibromialgia adotado pelo Colégio Americano de Reumatologia. No entanto, apenas um dos 24 submetidos ao tratamento convencional teve este grau de melhora, cerca de 4%. Para fazer a avaliação, a pesquisadora usou variáveis como capacidade funcional, aspectos físicos, dor, vitalidade, aspectos sociais e emocionais.

Depois de três meses, o valor da dor, medido numa escala de 0 a 10, chegou a 5,35 no grupo que recebeu acupuntura, e a média nas demais pacientes foi de 7,85, diferença que é estatisticamente significante. "O Índice Miálgico (IM) também foi melhor para quem recebeu acupuntura", garante Rosa, referindo-se ao índice que avalia o grau da dor. Quanto menor, mais dor o paciente sente. No grupo que se submeteu às agulhas, atingiu 3,53 após três meses do tratamento, contra 2,84 no grupo padrão. Um ano depois, o IM dos dois grupos se aproximou: chegou a 3,19 e 3,05, respectivamente, sem revelar diferença significativa. "Isso mostra a necessidade de um tratamento a cada três meses", avalia a médica.

A fibromialgia

A síndrome é caracterizada por uma dor muscular e esquelética que atinge muitas partes do ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net