Clínica de Acupuntura Valinhos, São Paulo

Encontre clínica de acupuntura em Valinhos. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Júlio da Silva Pinto
(19) 3232-9971
Rua Bernardo Jose Sampaio 339 - 3º Andar - Cj 34
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Adriana Celeste Gebrin
3755-8800
Sampainho 45
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Wesley Roberto Rafael
(19) 3272-0489
Rua João Felipe Xavier da Silva 384
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Claudio Hideyo Assato
(19) 3243-5667
Rua : frei Antonio de Padua 531 Guanabara
Campinas, São Paulo
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Roberval de Campos
(19) 3755-8800
Benjamin Cosntant 1717
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Evaldo Jose Bizachi Rodrigues
(19) 3234-9409
Rua Barata Ribeiro 280
Campinas, São Paulo
Especialidade
Foniatria

Dados Divulgados por
Fabio Augusto Portes Tmbasci
(19) 3287-5500
Rua Edilberto Luiz Pereira da Silva 150
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Rosangela Deliza
Rua Santa Cruz 175
Campinas, São Paulo
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Berenice Cunha Wilke
(19) 3289-8082
Rua Maria Tereza Dias da Silva 400
Campinas, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Marcos Tiago Cervi
(19) 3518-3000
Rua José Pires Neto 160
Campinas, São Paulo
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Acupuntura

Fornecido por: 

Um tratamento complementar de acupuntura a cada três meses melhora consideravelmente a saúde de doentes de fibromialgia, se comparado a pacientes que passam somente pelo tratamento convencional, com medicamentos e fisioterapia. Essa é a conclusão da tese defendida em agosto pela médica Rosa Alves Targino de Araújo, na Faculdade de Medicina (FMUSP) da USP.

O estudo, que será premiado no Congresso da Sociedade para a Pesquisa em Acupuntura (SAR) em novembro, nos Estados Unidos, mostrou resultados positivos em pacientes de 21 a 71 anos, submetidos a 20 sessões de acupuntura, duas vezes por semana. Os três meses que se seguiram à ultima sessão mostraram-se benéficos. Depois disso, provavelmente seria necessário outro bloco de 20 sessões. Durante dois anos, foram acompanhadas 58 mulheres. Em 34 delas foi aplicada a acupuntura, além da terapia convencional. As 24 restantes fizeram parte do grupo controle.

"Não se encontrou, ainda, um tratamento efetivo e específico para essa síndrome complexa. O que se busca hoje é o alívio sintomático da dor, e como há necessidade de medicamentos antidepressivos, por exemplo, é importante buscar outras terapêuticas apropriadas, que cheguem à sua origem para melhora dos sintomas e da qualidade de vida", comenta Rosa. Segundo a médica, a literatura científica fala da eficácia da acupuntura para reduzir os efeitos da síndrome. "Na tese, concluo que a associação da acupuntura ao tratamento convencional, com antidepressivos e exercícios, é benéfica para doentes com fibromialgia no período de três meses após o término do tratamento, bem como melhora a dor e a qualidade de vida".

Resultados

Durante o pós-tratamento, 10 dos 34 pacientes que receberam acupuntura, quase 30%, saíram do critério de diagnóstico de fibromialgia adotado pelo Colégio Americano de Reumatologia. No entanto, apenas um dos 24 submetidos ao tratamento convencional teve este grau de melhora, cerca de 4%. Para fazer a avaliação, a pesquisadora usou variáveis como capacidade funcional, aspectos físicos, dor, vitalidade, aspectos sociais e emocionais.

Depois de três meses, o valor da dor, medido numa escala de 0 a 10, chegou a 5,35 no grupo que recebeu acupuntura, e a média nas demais pacientes foi de 7,85, diferença que é estatisticamente significante. "O Índice Miálgico (IM) também foi melhor para quem recebeu acupuntura", garante Rosa, referindo-se ao índice que avalia o grau da dor. Quanto menor, mais dor o paciente sente. No grupo que se submeteu às agulhas, atingiu 3,53 após três meses do tratamento, contra 2,84 no grupo padrão. Um ano depois, o IM dos dois grupos se aproximou: chegou a 3,19 e 3,05, respectivamente, sem revelar diferença significativa. "Isso mostra a necessidade de um tratamento a cada três meses", avalia a médica.

A fibromialgia

A síndrome é caracterizada por uma dor muscular e esquelética que atinge muitas partes do ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net