Clínica de Audiometria Nova Friburgo, Rio de Janeiro

Encontre clínica de audiometria em Nova Friburgo. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Beatriz Ohana
(21) 3353-4114
Avenida das Américas7935 SUNPLAZA bloco 1 sala 718 Barra da Tijuca
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Paulo Soares de Azevedo
(21) 2205-7223
Rua Barão do Flamengo 21 - 701
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Gerson Carakushansky
(21) 2547-6838
Av. N. S. de Copacabana 500 - Conj. 611
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Gloria Regina Dacheux Mazzaroppi
255-6863
R. Alm. Tamandare 66 - 624
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Julio Cezar dos Santos
(24) 2231-4572
Rua Mal. Deodoro 46
Petropolis, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Edson Bento Nascimento da Silva
(21) 2423-6079
Av. Nelson Cardoso 1149 - Sala 1519
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Heleine Laudelina de Almeida
24871615
Av. das Américas 16355 (cob.02) Recreio
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Dailton Medeiros
(21) 2527-5500
R. Voluntarios da Patria 190 - 513
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Rosely Veneu Pinheiro
(21) 2234-7517
R Carmela Dutra 96
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Audiometria

Fornecido por: 

Mais de 5 milhões de jovens norte-americanos apresentam alguma perda de audição causada principalmente por concertos de rock, fogos de artifício e cortadores de grama, revelou recente estudo.

Mas, no Brasil, os especialistas apontam outro vilão da surdez juvenil: o walkman. As autoridades dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças Estados Unidos, CDCP, ficaram alarmadas com o fato de que, para 250.000 jovens, pelo menos, a deficiência pode ser de moderada a profunda, podendo assim tornar-se definitiva, segundo o estudo publicado no jornal Pediatrics.

"Mesmo quando se tem um dano temporário por alguns poucos dias como audição abafada, isso pode influenciar a capacidade do aprendizado da criança na sala de aula," afirmou Amanda Sue Niskar, do National Center for Environmental Health dos CDCP, que conduziu os estudos.

O estudo abrangeu 5.249 crianças, de 6 a 19 anos, testadas ao longo de seis anos, terminando em 1994, e revelou que 12,5 por cento sofrem de alterações auditivas induzidas por barulho, NITS, que podem abafar os sons de certas freqüências altas e dificultar o discernimento de consoantes na fala.

Os meninos apresentaram maior perda de audição do que as meninas, e os jovens são mais suscetíveis que as crianças.

O barulho "é um problema ambiental e comunitário para a criança", disse Niskar. "Precisamos incentivar as crianças a usar protetores de ouvido durante atividades barulhentas porque as NITS são inteiramente evitáveis."

Walkman

No Brasil, os especialistas destacam os problemas decorrentes do uso excessivo de walkman, acessório inseparável de boa parte dos jovens.

Esses aparelhos, dependendo da intensidade de uso, podem causar a perda de até 30 por cento da audição em apenas um ano.

Mas alguns cuidados reduzem significativamente esses riscos, afirmam. Basta saber dosar o número de horas dos fones nos ouvidos com o volume da música, medido em decibéis, db.

Quanto maior o tempo de música, mais baixo deveria ser o volume. O aparelho auditivo suporta ruídos com freqüência de até 85 db. Acima desse nível, o ouvido já é prejudicado.

"Uma pessoa não pode permanecer em um ambiente com 85 db por mais de oito horas," explicou a fonoaudióloga Sandra Giorgi, do Hospital das Clínicas de São Paulo. "Esse tempo cai para quatro horas em lugares com 90db; duas horas em locais com 95db; uma hora onde a freqüência chega a 100db."

Para se ter uma idéia, disse, enquanto o nível de ruído de uma rua relativamente movimentada é de cerca de 85db, o walkman atinge 90 db. Os aparelhos mais modernos chegam a 110db - perto do limiar da dor, que é de 120db.

O uso excessivo desses aparelhos pode causar a redução precoce da capacidade auditiva porque o volume alto das músicas danifica as células responsáveis pelos sons agudos. Essas células estão localizadas no órgão interno de corti, tipo de caracol onde se filtra o som que chega ao ouvido.

"São as primeiras células a morrer", disse...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net