Clínica de Fisiologia Angra dos Reis, Rio de Janeiro

Encontre clínica de fisiologia em Angra dos Reis. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Caíto Petroni Lemes
(21) 3316-2900
Rua Jaguaruna 105 - 4º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Frederico Azevedo
(21) 2545-9005
Siqueira Campos 93 - 703
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Alvaro Henrique Braga
257-6111
R. Br. de S. Francisco 373 - 301
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Eduardo de Almeida Mattos
(21) 2667-1870
Humberto Gentil Baroni 132
Nova Iguacu, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Osteodens Investigacao Doencas Osseas
Avenida Ataulfo de Paiva 355 - Sala 202
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Beatriz Ohana
(21) 3353-4114
Avenida das Américas7935 SUNPLAZA bloco 1 sala 718 Barra da Tijuca
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Herbert Praxedes-Hematologia Pat.Onc.e
(21) 610-7147
Rua Coronel Moreira Cesar 229
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Sonia Cristina Moreira Borges
(21) 2610-0674
Rua Gavião Peixoto 148 - Sala 601
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Arquimedes Lima
(22) 2665-1709
Rua Oscar Clark 151 - L 4
Araruama, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Fisiologia

Fornecido por: 

Pesquisa de doutorado realizada pelo biólogo Alexandre César Santos de Rezende, do Departamento de Fisiologia e Biofísica do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, concluiu que a droga TAT-CNTF possui um potencial muito grande para uso em tratamento de doenças neurodegenerativas que afetam motoneurônios, neurônios sensitivos e neurotraumas. A principal vantagem dessa droga alternativa, produzida a partir da combinação entre o fator neurotrófico ciliar (CNTF) e uma sequência de aminoácidos extraídos de uma proteína do vírus HIV-1, está associada à não-ocorrência dos efeitos colaterais que foram verificados durante tratamento apenas com o CNTF.

Ainda que a utilização de ambas as drogas seja eficaz na sobrevivência neuronal, ficou provado que o CNTF – já ministrado em pacientes no tratamento da esclerose lateral amiotrófica – causa anorexia e caquexia, o que significa uma perda significativa de gordura no corpo, tanto em testes feitos com animais como em tratamento de seres humanos. Já a TAT-CNTF funcionou como um fator neurotrófico, ou seja, uma substância protetora sem os efeitos colaterais do CNTF. A pesquisa, realizada com animais de laboratório recém-nascidos, com dois dias de vida, abre grandes perspectivas para o combate de doenças como Parkinson, esclerose lateral amiotrófica e esclerose múltipla.

Desenvolvida em 2001 pelo pro­fessor Alessandro Negro, da Universidade de Pádua (Itália), a droga nunca havia sido testada nessas condições. “A sequência TAT é um domínio de translocação de proteína, o qual permite que a proteína ligada a ele atravesse membranas biológicas”, explicou Rezende. Isso foi observado por Negro durante experimento utilizando cultura de células ovarianas de hamster, tratadas com a TAT-CNTF. Quando ele realizou a análise imunoistoquímica – exames laboratoriais capazes de detectar alterações moleculares –, para ver a localização intracelular, percebeu que a TAT estava no núcleo dessas células, levando consigo o CNTF. Ela foi oferecida para testes ao orientador de Rezende, professor Francesco Langone, falecido em maio passado.

Os primeiros resultados foram obtidos ainda durante o trabalho de mestrado, no início de 2003. A secção do nervo ciático de ratos com dois dias de vida provoca a morte de um número considerável de motoneurônios da região lombar da medula espinal. Trata-se, segundo Rezende, de um excelente modelo de lesão, capaz de verificar se o tratamento com um fator pro...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net