Clínica de Pediatria Cabo Frio, Rio de Janeiro

Encontre clínica de pediatria em Cabo Frio. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Fabio Basilio Fernandes dos Santos
(21) 3501-3242
Rua Barçao de Itapagipe 169
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Larissa Correa Prieto
Est. Francisco da Cruz Nunes 5803
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Melissa Mazzoni Vieira
(21) 2401-9418
Rua Francisco Real 752
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
José Manoel Alves de Oliveira
(21) 2556-8096
Rua do Catete 90 - Sala 404
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Luiz Francisco Souza da Fontoura
33258428
Av das Américas 4790 cj. 519 Barra da Tijuca Rio de Janeiro
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Cirurgia Cranio-Maxilo-Facial

Dados Divulgados por
Paulo Marcos Nunes Valiante
(21) 2234-1003
Rua Sergipe 14 - 2º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Cristovão Fonseca Labuto Junior
(21) 2756-0114
Ginecologia e Obstetrícia Medicina Intensiva
Sao Joao de Meriti, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Beatriz Ohana
(21) 3353-4114
Avenida das Américas7935 SUNPLAZA bloco 1 sala 718 Barra da Tijuca
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Fernando J Chapermann
(21) 2247-0435
Av N S Copacabana 1066 - Sala 1102D
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Pediatria

Fornecido por: 

A adição de arroz fortificado com ferro à dieta infantil pode ser útil no controle da anemia quando o consumo do alimento é adequado. A sugestão é retirada de um estudo, feito por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro e publicado na última edição da revista Cadernos de Saúde Pública da Fiocruz, que investigou o efeito dessa fortificação semanal sobre a freqüência de anemia e concentração de hemoglobina em 360 crianças de 1 a 5 nos matriculadas em creches públicas no Rio de Janeiro.

Para a análise foram selecionadas duas creches e, durante 16 semanas, uma recebeu arroz fortificado com ferro de quelato e a outra o mesmo alimento, mas com placebo. Segundo os estudiosos, várias pesquisas na última década mostraram sucesso no controle da anemia em pré-escolares, sendo o ferro de quelato um dos minerais mais empregados. No entanto, esse é o primeiro estudo que utiliza um grupo de controle para comparação.

A boa aceitação do alimento fortificado e a ausência de alterações sensoriais e de efeitos adversos são características que depõem a favor da utilização desse composto de ferro, observadas neste e outros estudos nacionais”, afirmam os pesquisadores. “Embora o sulfato ferroso tenha custo mais baixo, o ferro quelato apresenta biodisponibilidade cinco a sete vezes maior e, por isso, pode ser utilizado em quantidades e períodos de tempo menores, trazendo vantagem econômica mesmo que o preço por quilo desse composto seja superior ao outro.”

Os resultados apontaram que a prevalência de anemia reduziu em ambos os grupos verificados. No grupo que recebeu o ferro, a diminuição foi de 37,8% para 23,3% e no que não recebeu, de 45,4% para 33,3%. A concentração de hemoglobina no sangue aumentou em ambos os casos, sendo maior o aumento nas crianças que receberam quantidade total de ferro maior ou igual a 53 miligramas. 

Os pesquisadores ainda comentam que a redução da anemia no grupo de controle levanta alguns questionamentos. “A presença semanal do investigador para a aplicação do placebo é um fator que pode ter interferido, involuntariamente, na rotina da instituição e ter contribuído para a melhora observada no grupo de controle”, esclarecem os estudiosos. “Tanto profissionais que trabalhavam na creche (merendeiras, professoras) quanto os responsáveis podem ter alterado seu comportamento em relação à alimentação e saúde da criança, intensificando os cui...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net