Clínica de Pediatria Mossoró, Rio Grande do Norte

Encontre clínica de pediatria em Mossoró. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Leonardo Davinci Lima Nogueira
(84) 3317-6212
R. Dionisio Filgueira 117 - (Cl Ginecologi
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Ceci Alves Uchoa G. de Araujo
(84) 3211-3944
Av Romualdo Galvao 960
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Edilza Maria Andrade Dassuncao
(84) 3231-9106
Av. Romualdo Galvao 1703
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Katia Maria da Silva Mulatinho
(84) 3222-0187
Rua Mossoró 613
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Lucia Amorim M.de Souza
(84) 3231-9106
Av. Romualdo Galvao 1703
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Leonardo Davinci Lima Nogueira
(84) 3317-6212
R. Dionisio Filgueira 117 - (Cl Ginecologi
Mossoró, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Luiz Viana Gomes
(84) 3220-6317
Rua Mipibu 511
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Simone Bezerra R C Rodrigues
(84) 3206-6000
Rua Norton Farias 1440
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Wilna Krepke Leiros Dias
(84) 3211-4393
Rua Mipibu 657
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Maria do Socorro P Diogenes
(84) 3220-6317
Rua Mipibu 511
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Pediatria

Fornecido por: 

A adição de arroz fortificado com ferro à dieta infantil pode ser útil no controle da anemia quando o consumo do alimento é adequado. A sugestão é retirada de um estudo, feito por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro e publicado na última edição da revista Cadernos de Saúde Pública da Fiocruz, que investigou o efeito dessa fortificação semanal sobre a freqüência de anemia e concentração de hemoglobina em 360 crianças de 1 a 5 nos matriculadas em creches públicas no Rio de Janeiro.

Para a análise foram selecionadas duas creches e, durante 16 semanas, uma recebeu arroz fortificado com ferro de quelato e a outra o mesmo alimento, mas com placebo. Segundo os estudiosos, várias pesquisas na última década mostraram sucesso no controle da anemia em pré-escolares, sendo o ferro de quelato um dos minerais mais empregados. No entanto, esse é o primeiro estudo que utiliza um grupo de controle para comparação.

A boa aceitação do alimento fortificado e a ausência de alterações sensoriais e de efeitos adversos são características que depõem a favor da utilização desse composto de ferro, observadas neste e outros estudos nacionais”, afirmam os pesquisadores. “Embora o sulfato ferroso tenha custo mais baixo, o ferro quelato apresenta biodisponibilidade cinco a sete vezes maior e, por isso, pode ser utilizado em quantidades e períodos de tempo menores, trazendo vantagem econômica mesmo que o preço por quilo desse composto seja superior ao outro.”

Os resultados apontaram que a prevalência de anemia reduziu em ambos os grupos verificados. No grupo que recebeu o ferro, a diminuição foi de 37,8% para 23,3% e no que não recebeu, de 45,4% para 33,3%. A concentração de hemoglobina no sangue aumentou em ambos os casos, sendo maior o aumento nas crianças que receberam quantidade total de ferro maior ou igual a 53 miligramas. 

Os pesquisadores ainda comentam que a redução da anemia no grupo de controle levanta alguns questionamentos. “A presença semanal do investigador para a aplicação do placebo é um fator que pode ter interferido, involuntariamente, na rotina da instituição e ter contribuído para a melhora observada no grupo de controle”, esclarecem os estudiosos. “Tanto profissionais que trabalhavam na creche (merendeiras, professoras) quanto os responsáveis podem ter alterado seu comportamento em relação à alimentação e saúde da criança, intensificando os cui...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net