Clínica de Psicologia Cabo Frio, Rio de Janeiro

Encontre clínicas de psicologia em Cabo Frio. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Clarice Cassuriaga Dias
(24) 3342-1768
lgo 9 de Abril, 26 sl 326, Vila Santa Cecília
Volta Redonda, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Centro de Psicologia Aplicada
(21) 2693-1101
Rua Pracinha Wallace Paes Leme, 1864, Centro
Nilópolis, Rio de Janeiro
 
Maurício Gonzaga Carneiro
(21) 2771-5076
av Pres Vargas, 132, Centro
Duque de Caxias, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Psicóloga Rosemary de Jesus Oliveira
(21) 2667-6855
tv Augusta, 125 sl 102, Centro
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
consultório
(21) 3245-0145
RUA MIGUEL DE FRIAS 206/1001
NITEROI, Rio de Janeiro
 
Maria Angelica do Nascimento Rocha
(21) 2701-8215
r Olinto Guedes, 143, Coelho
São Gonçalo, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Galvao e Escocard Servicos Medicos S/c Ltda
(22) 2725-6454
r Gil de Góis, 217, Centro
Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Consultório Psicológico
(21) 3339-9697
r Cardoso de Castro, 273, Anchieta
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Márcia Cristina Moccellin Alvarez
(21) 2673-1421
r Cde Porto Alegre, 119 s 805, Centro
Duque de Caxias, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Pass Psicólogos
(21) 2667-3565
r Dr Tibau, 80 s 808, Centro
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Psicologia

Fornecido por: 

Transplante de fígado não acaba com depressão do paciente com doença hepática.

Estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) comparou a qualidade de vida de pacientes com problemas hepáticos transplantados e de outros ainda na fila de espera pelo órgão. A pesquisa mostra que, enquanto a capacidade física dos que passaram pelo procedimento cirúrgico melhora, a condição psicossocial algumas vezes até se agrava após o transplante.

Uma constatação que indica a necessidade de garantir acompanhamento psicológico aos pacientes e seus familiares, antes e depois da cirurgia.

A psicóloga Rosana Trindade Santos Rodrigues, analisou 30 pacientes (15 transplantados e 15 na fila de espera) de ambos os sexos, com idades entre 15 e 63 anos, para observar o impacto do transplante de fígado sobre a qualidade de vida dessas pessoas, todos participantes do programa de transplantes da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

O estudo, apresentado como tese de mestrado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), confirmou melhora no estado físico, como o fim das dores freqüentes, das queixas de cansaço e dos sangramentos, aspectos comuns antes do transplante. Os pacientes deixam de apresentar problemas como impotência, perdem a chamada "barriga dágua" - causada pelo acúmulo de líquido abdominal - e não têm mais a coloração amarelada na pele, melhorando de forma significativa sua qualidade de vida.

Entretanto, apesar destes ganhos físicos, os transplantados não mostraram a mesma evolução no campo psicológico. Problemas como depressão e exclusão de atividades profissionais e sociais continuaram afetando a qualidade de vida dos pacientes. "Mesmo depois do transplante, é possível observar que só uma pequena porcentagem de pessoas volta ao mercado de trabalho e retoma os hábitos antigos da vida social", explica Rosana.

A psicóloga acredita que isto ocorra porque, ao fim do processo, estes pacientes sentem que não voltaram a ter uma vida normal e têm a sensação de que apenas "trocaram" de doença. "Depois da cirurgia, a pessoa deixa de ser hepatopata crônica para ser ransplantada e isto pode estar na raiz da depressão pós-cirurgia".

Em outras palavras, após o período de euforia por ter conseguido realizar a cirurgia, a necessidade de continuar tomando remédios (imunossupressores) e permanecer freqüentando hospitais pode contribuir para sentimentos de dependência e fragilidade, afetando seu estado psicológico.

Apoio antes e depois

No Brasil, a espera pelo transplante de fígado dura de dois a três anos. Neste tempo, os pacientes precisam freqüentar constantemente os hospitais para fazer exames e as desgastantes diálises. Segundo a autora da pesquisa, geralmente os pacientes se aposentam enquanto esperam o órgão, já que dificilmente conseguem estabelecer um vínculo profissional. "A necessidade quase que diária de visitar o hospital impede que o paciente consiga trabalhar", afirma.

A principal conclusão do trabalho é a n...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net