Clínica de Psiquiatria Porto Velho, Rondônia

Encontre clínicas de psiquiatria em Porto Velho. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Consultório Psicologia Dra Dione Pesanha
(69) 3223-7446
r Abunã, 1796, São João Bosco
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Terapia Integrada
(69) 3221-6281
r Rogério Weber, 2621, Caiari
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Centro de Desenvolvimento Humano
(69) 3026-6491
av Rafael Vaz Silva, 1451, Nossa Sra. das Graça
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Psicóloga-Iris Lúcia Caye Oliveira
(69) 3223-9896
r Sen Álvaro Maia, 1747, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Psicologia e Psicomotricidade Dr. João Guilherme Rodrigues Mendonça
(69) 3229-9412
r Tenreiro Aranha, 2272, Centro
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
CAE-Centro de Atendimento Especializado
(69) 3224-2955
r Abunã, 2914, Liberdade
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Conselho Regional Psicologia I Região
(69) 3224-3321
av Calama, 2300, Arigolândia
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Talentos Humanos - Consultoria e Treinamento Ltda
(69) 3223-2137
av Campos Sales, 2186, An 1, Areal
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia
(69) 3224-2374
r Tenreiro Aranha, 3000, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Instituto Integrar
(69) 9978-9024
r Julio de Castilhos, 269 Sala 206
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Psiquiatria

Fornecido por: 

A depressão no idoso pode indicar um risco aumentado de desenvolvimento de demência, quando feita a comparação com idosos não deprimidos. Esta afirmação é do Prof. Dr. Paulo Bertolucci, diretor do Núcleo de Envelhecimento Cerebral e Chefe do Setor de Neurologia do Comportamento da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, que alerta para a importância do tratamento dos sintomas depressivos em pacientes que apresentam demência, principalmente causada pela doença de Alzheimer.

A demência é definida por um conjunto de alterações cognitivas, uma das quais obrigatoriamente é a perda da memória, podendo ser acompanhada por alterações do comportamento e pela perda de habilidades. Segundo estudo publicado na revista Archives of Neurology, a depressão é um dos sintomas mais freqüentes nas demências, atingindo mais de 40% dos pacientes com doença de Alzheimer, mais de 50% dos pacientes com demências vasculares e mais ainda nos pacientes com a demência da doença de Parkinson. O Prof. Dr. Paulo Bertolucci explica que a depressão, além de ser uma das causas de alteração do comportamento dos pacientes com demência, como agitação, agressividade, delírios e alucinações, traz mais dependência e maior desgaste para o cuidador.

Segundo o médico, a depressão nos idosos é um importante problema de saúde, porque traz sofrimento ao paciente, incapacitando-o para atividades que, de outro modo, poderia realizar; amplia as limitações ocasionadas por outras doenças e sobrecarrega familiares e cuidadores. "Mesmo com a melhora na exatidão do diagnóstico, a depressão no idoso ainda é largamente subdiagnosticada no Brasil. Seus sintomas podem ser confundidos com o de outras doenças presentes nos idosos, um grupo em que é elevada a chance de haver múltiplos problemas físicos e, portanto, múltiplos sintomas. Contribui para isto o fato de que a alteração do humor pode não ser tão evidente. Apresentam sintomas vagos, como perda de apetite, insônia e falta de energia, que muitas vezes podem ser atribuídos a outras causas. A alteração do humor, por sua vez, pode equivocadamente ser atribuída às limitações e sintomas de outras doenças, a problemas econômicos e à perda de convívio social", afirma o médico.

As alterações neuropsicológicas são um aspecto importante da depressão no idoso. É freqüentemente relatado que os pacientes com depressão tardia apresentem dificuldade de atenção e concentração, de função executiva e de memória. Conforme artigo publicado por M. A. Butteres na revista Archives of General Psychiatry, na realidade, mesmo quando as alterações cognitivas não são óbvias à primeira vista, a avaliação mais detalhada de idosos que preencham os critérios para depressão maior, mostra que este grupo pode apresentar algum grau de alteração em praticamente todos os domínios cognitivos, principalmente velocidade de processamento da informação, função executiva e habilidade viso-espacial, e que esta alteração é ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net