Traumas Palhoça, Santa Catarina

Saiba quais são os as patologias que podem estar associadas à osteoporose secundária. As autoras Claudia Simões, Joseane Carvalho e Marcília Morais descrevem a classificação das desordens clínicas. Entenda porque elas aumentam os riscos de fraturas. Consulte a lista de especialistas da área, em Palhoça.

Jose Carlos Silveira de Mello
324-6128
Rua Joao Sandim 2
Sao Jose, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Zulmar Vieira Coutinho
3223-1317
Rua Jose Boiteux 34
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Armenio Matias Correa Lima
3232-1164
Homeopatia Medicina de Família e Comunidade
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Irene Vieira Souza
322-4188
Rua Dom Jaime Camara 77 - 601
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Ivana Maria Porto Ribeiro
3222-3867
Rua Dom Jaime Camara 66 - 403
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Fernando Oto dos Santos
(48) 3273-9000
Rua Luiz Fagundes 000
Sao Jose, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Urgência

Dados Divulgados por
Roberto da Costa Telles Ferreira
(48) 3228-9349
R.Ernesto Stodieck 307 - -
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Mariuccia Grace Scott Brusa
3224-1888
Rua Dom Jaime Camara 77 - 601
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Maria Beatriz Cacese Shiozawa
3224-1888
Rua Dom Jaime Camara 77 - 601
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Marcos Krahe Edelweiss
3226-1212
Rod SC 405 2507
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Traumas

Fornecido por: 

Osteoporose - Quais distúrbios podem estar associados à osteoporose?

A chamada osteoporose secundária é aquela associada a outras patologias, com um aumento do risco de fraturas. Estas patologias ou desordens clínicas podem ser classificados em várias categorias:

doenças genéticas (Diabete Melito);

estado hipogonadal;

doenças endócrinas (hiperparatireoidismo, Síndrome de Cushing);

doenças hematológicas (mieloma múltiplo);

doenças do tecido conjuntivo (artrite reumatóide, osteogênese imperfeita, homocistinúria);

doenças gastrointestinais; Saúde em Movimento.com.br

outras doenças sistêmicas crônicas comuns, tais como falência cardíaca congestiva, estágio final de doença renal e alcoolismo.

A distribuição da maioria das causas aparentes difere nos grupos demográficos. Entre homens, 30 a 60% dos casos de osteoporose estão associados a causas secundárias, mais comumente ao hipogonadismo, uso de glicocorticóides e álcool. Em mulheres na peri-menopausa, mais de 50% dos casos estão associados a causas secundárias e, as mais comuns são hipoestrogenismo (produção insuficiente de estrógeno que ocasiona diminuição da libido e cefaléia), hipertireoidismo (atividade excessiva dos hormônios tireoidianos), terapia com anticonvulsivantes e glicocorticóides. Em mulheres na pós-menopausa, a prevalência de causas secundárias é bem menor. Mulheres brancas osteoporóticas na pós-menopausa, que não tinham histórico familiar da doença, apresentaram como causas da perda óssea: hipercalciúria, hiperparatireoidismo e má absorção de cálcio (www.osteo.org).

Estudos têm revelado que indivíduos com diabete melito juvenil ou adulto (na fase inicial) têm um decréscimo de massa óssea. Nesses casos, fraturas de quadril são mais insidiosas e podem complicar ainda mais o próprio diabetes (Harrison, 1995; Moreira Jr, 1999). Estudos têm demonstrado que o diabetes, por si só, não atua como fator determinante da osteoporose e sim a dieta que os pacientes diabéticos adotam no decorrer de sua vida, sendo esta a causa do desgaste ósseo. Por isso, o tratamento do diabetes deve ser acompanhado de uma rigorosa orientação da dieta, que não pode desencadear osteoporose (Moreira Jr, 1999).

Hipogonadismo

O hipogonadismo é uma situação patológica em que os hormônios sexuais encontram-se em níveis bem inferiores aos normais. Atinge tanto os homens quanto as mulheres. Nas adolescentes e jovens, o estado hipogonadal é caracterizado por atraso na menarca (início da função menstrual na puberdade), oligomenorréia (fluxo menstrual reduzido) ou amenorréia (ausência de períodos menstruais) relativamente comuns. Em situações como treinamento físico excessivo, estresse emocional e baixo peso corporal também são verificados esses sintomas. Indivíduos pertencentes a esses grupos podem apresentar baixos níveis e perda de massa óssea, além de uma taxa de fraturas aumentada. A perda de ma...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net