Traumas Ubá, Minas Gerais

Saiba quais são os as patologias que podem estar associadas à osteoporose secundária. As autoras Claudia Simões, Joseane Carvalho e Marcília Morais descrevem a classificação das desordens clínicas. Entenda porque elas aumentam os riscos de fraturas. Consulte a lista de especialistas da área, em Ubá.

Agostinho Pinto Gouvea
3213-4754
R dos Otoni 705 - Sala 505
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Denise Batista da Cunha
(31) 3274-4409
Rua Doutor Jarbas Vidal Gomes 30 - Sala 301
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Anatomia Patologica e Citologia Ltda
(31) 3482-8005
R. Gustavo Pena 44 - 7º Andar
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Analise Clinica Frota
3221-2122
Rua Santa Cruz 731
Varginha, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Jose Carlos de Almeida Basques
2104-0100
Av do Contorno 9797
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Paulo Cesar Ferreira Lopes
323-2153
Rua Santo Antonio 1500 - 510
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
LUCIANA MARQUES DA COSTA
25527706
Rua São Paulo893 sala 706
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Foniatria

Dados Divulgados por
Analises Pesquisas Laboratoriais Ltda
(32) 3215-0565
Av. Rio Branco 2337 - 503 e 511
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Jose Henrique Macedo Cerqueira
3275-4499
Av do Contorno 9797
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Maria Christina Matte Loyola
3261-4922
R Tome de Souza 860 - Sala 1308
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Traumas

Fornecido por: 

Osteoporose - Quais distúrbios podem estar associados à osteoporose?

A chamada osteoporose secundária é aquela associada a outras patologias, com um aumento do risco de fraturas. Estas patologias ou desordens clínicas podem ser classificados em várias categorias:

doenças genéticas (Diabete Melito);

estado hipogonadal;

doenças endócrinas (hiperparatireoidismo, Síndrome de Cushing);

doenças hematológicas (mieloma múltiplo);

doenças do tecido conjuntivo (artrite reumatóide, osteogênese imperfeita, homocistinúria);

doenças gastrointestinais; Saúde em Movimento.com.br

outras doenças sistêmicas crônicas comuns, tais como falência cardíaca congestiva, estágio final de doença renal e alcoolismo.

A distribuição da maioria das causas aparentes difere nos grupos demográficos. Entre homens, 30 a 60% dos casos de osteoporose estão associados a causas secundárias, mais comumente ao hipogonadismo, uso de glicocorticóides e álcool. Em mulheres na peri-menopausa, mais de 50% dos casos estão associados a causas secundárias e, as mais comuns são hipoestrogenismo (produção insuficiente de estrógeno que ocasiona diminuição da libido e cefaléia), hipertireoidismo (atividade excessiva dos hormônios tireoidianos), terapia com anticonvulsivantes e glicocorticóides. Em mulheres na pós-menopausa, a prevalência de causas secundárias é bem menor. Mulheres brancas osteoporóticas na pós-menopausa, que não tinham histórico familiar da doença, apresentaram como causas da perda óssea: hipercalciúria, hiperparatireoidismo e má absorção de cálcio (www.osteo.org).

Estudos têm revelado que indivíduos com diabete melito juvenil ou adulto (na fase inicial) têm um decréscimo de massa óssea. Nesses casos, fraturas de quadril são mais insidiosas e podem complicar ainda mais o próprio diabetes (Harrison, 1995; Moreira Jr, 1999). Estudos têm demonstrado que o diabetes, por si só, não atua como fator determinante da osteoporose e sim a dieta que os pacientes diabéticos adotam no decorrer de sua vida, sendo esta a causa do desgaste ósseo. Por isso, o tratamento do diabetes deve ser acompanhado de uma rigorosa orientação da dieta, que não pode desencadear osteoporose (Moreira Jr, 1999).

Hipogonadismo

O hipogonadismo é uma situação patológica em que os hormônios sexuais encontram-se em níveis bem inferiores aos normais. Atinge tanto os homens quanto as mulheres. Nas adolescentes e jovens, o estado hipogonadal é caracterizado por atraso na menarca (início da função menstrual na puberdade), oligomenorréia (fluxo menstrual reduzido) ou amenorréia (ausência de períodos menstruais) relativamente comuns. Em situações como treinamento físico excessivo, estresse emocional e baixo peso corporal também são verificados esses sintomas. Indivíduos pertencentes a esses grupos podem apresentar baixos níveis e perda de massa óssea, além de uma taxa de fraturas aumentada. A perda de ma...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net