Fraturas Ubá, Minas Gerais

Avalie quais são as implicações da osteoporose. As autoras Claudia Simões, Joseane Carvalho e Marcília Morais descrevem os principais ossos afetados por esse problema. "Pessoas idosas podem fraturar as vértebras da coluna com freqüência", elas alertam. Consulte a lista de especialistas da área, em Ubá.

Mario Paulo Cassiano e Paes
(34) 3214-6242
Eng. Diniz 238
Uberlandia, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Jose Carlos Lassi Caldeira
(31) 3241-6826
Av dos Andradas 2287 - 2º Andar
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Foniatria

Dados Divulgados por
Rosangela Fatima Di Lorenzo Pires
324-8960
Av Professor Alfredo Balena 190
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Denise Batista da Cunha
(31) 3274-4409
Rua Doutor Jarbas Vidal Gomes 30 - Sala 301
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Marcilene Coelho
3352-0792
R Inglaterra 681 - Sala 101 102
Contagem, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Haroldo Gomes Nascimento
(32) 3215-5258
Av Rio Branco 2370 - 1214-1215
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Alexandre Vaz
3295-6767
Av do Contorno 9921 - Sala 607
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Maria de Lourdes Junqueira Rodrigues Melo
3274-3733
R Padre Rolim 491
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Sylvio Silveira Martins Junior
323-2292
Av Rio Branco 3353
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Eliana Chaves Salomao
(34) 3236-9490
R. Tenente Virmondes 55
Uberlandia, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Fraturas

Fornecido por: 

Osteoporose - Principais órgãos afetados

As fraturas mais comum em decorrência da osteoporose são as dos punhos, quadris, coluna, colo dos fêmures e costelas; entretanto, a princípio, qualquer osso do corpo pode ser afetado. A dor dorsolombar é queixa comum; o espasmo muscular é a principal causa dos sintomas, que também podem ser por microfraturas; em muitos casos, é conseqüente a uma fratura por compressão.

O quadril é um dos pontos fracos entre os que têm a doença. As fraturas de bacia são difíceis de cicatrizar e podem levar à invalidez. Estima-se que 1 em cada 3 mulheres menopausadas correm o risco desse tipo de fratura e, em 15 a 20% dos casos, são fatais (Favus et alli, 1993). A taxa desse tipo de é duas a três vezes maior nas mulheres do que nos homens; entretanto, a mortalidade subseqüente é aproximadamente duas vezes mais alta para os homens do que para as mulheres. Para as mulheres, o risco é igual ao risco associado aos canceres de mama, útero e ovários. Um terço das mulheres e um sexto dos homens que atingem os 80 anos têm ou tiveram este tipo de fratura. Estudos mostraram dados alarmantes: cerca de 50% dos pacientes que fraturaram o quadril não consegue mais andar sozinhos. Estima-se que em 1990 cerca de 1,66 milhões de pessoas tiveram esse tipo de fratura e que esse número aumente para 6,26 milhões até 2050. A incidência de fraturas de quadril nos EUA é estimada em 250.000 casos anuais e, cerca de 25.000 casos/ano no Canadá (Papaioannou, A. et al 1997).

O punho, por ser um ponto de apoio, é uma área onde acontecem muitas fraturas. Os ossos sensíveis têm pouca estrutura para sustentar o peso do corpo, quando das quedas.

Pessoas idosas podem fraturar as vértebras da coluna com freqüência. A chamada "corcunda de viúva" é uma deformação comum e pode levar à diminuição da altura do doente e dificuldade de locomoção. Para se ter uma idéia da gravidade do problema, pode-se citar o fato de 1/3 das mulheres que atingem 60 anos têm ou tiveram fraturas de vértebras e, destas, 20 a 25% falecem nos seis primeiros meses após a fratura. Nos EUA, 30% das mulheres brancas têm osteoporose, dentre as quais, 16% apresentam a doença na coluna lombar. Em 1995 o custo de tratamento de fraturas da 

coluna lombar, naquele país, foi de 746 milhões de dólares (Moreira Jr., 1999).
O fêmur também é outro ponto fraco desses pacientes. É freqüente tanto em homens quanto em mulheres, principalmente, depois dos 65 anos e a recuperação é, via de regra, lenta. Em 1990 registrou-se a ocorrência de aproximadamente 1,7 milhões de fraturas de colo do fêmur no mundo todo e, com base no aumento proporcional da população de idosos, a estimativa é que até o ano 2050 esse número chegue próximo de 6,3 milhões (Moreira Jr., 1999).

Na população de Porto Rico a prevalência da osteopenia na coluna lombar é de 42% e no colo do fêmur é de 56%; 12% da população tem osteopo...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net