Consultório de Gastroenterologia Teresópolis, Rio de Janeiro

Encontre consultório de gastroenterologia em Teresópolis. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Julio Cezar dos Santos
(24) 2231-4572
Rua Mal. Deodoro 46
Petropolis, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Julio Cezar dos Santos
(24) 2231-4572
Rua Mal. Deodoro 46
Petropolis, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Alvaro Henrique Braga
257-6111
R. Br. de S. Francisco 373 - 301
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Herbert Praxedes-Hematologia Pat.Onc.e
(21) 610-7147
Rua Coronel Moreira Cesar 229
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Fernando J Chapermann
(21) 2247-0435
Av N S Copacabana 1066 - Sala 1102D
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Eduardo de Mendonca e Silva
2254-5194
R. Gal. Roca 685 - 601
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Flavio Rotman
2547-4075
R. Siqueira Campos 43 - 713
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Regina Granato Laboratorio Ltda
(21) 2544-1547
R. Cel. Serrado 688
Sao Goncalo, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Silvia Waymberg
2284-9739
R. Gal. Roca 440 - 108
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Paulo Soares de Azevedo
(21) 2205-7223
Rua Barão do Flamengo 21 - 701
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Gastroenterologia

Fornecido por: 

câncer colo-retal abrange tumores que atingem o cólon (intestino grosso) e o reto. Tanto homens como mulheres são igualmente afetados, sendo uma doença tratável e freqüentemente curável quando localizada no intestino.

Epidemiologia

O câncer colo-retal é a terceira causa mais comum de morte por câncer, no Brasil.

Possui maior incidência na faixa etária entre 50 e 70 anos, mas as possibilidades de desenvolvimento já aumentam a partir dos 40 anos.

Segundo as Estimativas de Incidência e Mortalidade por Câncer no Brasil, publicadas pelo INCA, o número de casos novos previstos para o ano 2001 é de 7.795 entre homens e de 8.370 entre mulheres. Os óbitos esperados para o mesmo ano, entre homens e mulheres são, respectivamente, 3.355 e 3.875. A incidência de casos novos entre mulheres é de 9,65 para 100.000 habitantes, e entre os homens é de 9,31 para 100.000 habitantes. A mortalidade por câncer de cólon e reto pode ser controlada por meio de estratégias de detecção e tratamento precoces.

Fatores de Risco

Os principais fatores de risco são: dieta com alto conteúdo de gordura, carne e baixo teor de cálcio; obesidade e sedentarismo. Também são fatores de risco o consumo em exagerado de bebidas alcóolicas, as doenças associadas como retocolite ulcerativa, doença de Cronh e a predisposição genética (polipose intestinal familiar, síndrome de Linch).

Prevenção

Uma dieta rica em frutas, vegetais, fibras, cálcio, potássio e pobre em gorduras animais é considerada uma medida preventiva. A ingestão excessiva e prolongada de bebidas alcóolicas deve ser evitada. Como prevenção é indicada uma dieta saudável e a prática de exercícios físicos.

Detecção Precoce

O câncer colo-retal quando detectado em seu estágio inicial possui grandes chances de cura, diminuindo a taxa de mortalidade associada ao tumor. Pessoas com mais de 50 anos devem se submeter anualmente ao exame de toque retal e ao exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes.

Para indivíduos com histórico de câncer de cólon e reto na família recomenda-se que, a partir dos 35 anos, seja realizado o exame de detecção de sangue oculto nas fezes e de uma endoscopia através do reto. Uma retossigmoidoscopia é recomendada a cada 3 anos, e, se for notada alguma alteração, deverá ser realizado um exame chamado colonoscopia (endoscopia realizada pelo ânus).

Em pacientes com mais de 30 anos e portadores da síndrome de Linch, é indicado uma colonoscopia e um exame radiológico a cada 3 anos. Para indivíduos com histórico pessoal de câncer ou que apresentem pólipos recomenda-se uma endoscopia anualmente. Já nos casos de polipose familiar do tipo adenomatoso, a retirada do colo através de cirurgia deve ser feita como medida preventiva. Pacientes que sofrem de inflamação intestinal, chamada colite ulcerativa, devem realizar uma endoscopia anualmente.

Sintomas

O cânc...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net