Consultório de Oftalmologia Cabo Frio, Rio de Janeiro

Encontre consultório de oftalmologia em Cabo Frio. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Fabio Basilio Fernandes dos Santos
(21) 3501-3242
Rua Barçao de Itapagipe 169
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Jacob Sessim Analises Medicas
(21) 2667-8065
Rua Heraldo Sales de Abreu 40
Nova Iguacu, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Melissa Mazzoni Vieira
(21) 2401-9418
Rua Francisco Real 752
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Asilo da Velhice Desamparada
(22) 2772-7442
Rua Luis Belegard 540
Macae, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Paulo Marcos Nunes Valiante
(21) 2234-1003
Rua Sergipe 14 - 2º Andar
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Regina Granato Laboratorio Ltda
(21) 2544-1547
R. Cel. Serrado 688
Sao Goncalo, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Dorivaldo Rodrigues Carvalho
(21) 3399-3848
Av. Mem de Sá 152
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Legal

Dados Divulgados por
Larissa Correa Prieto
Est. Francisco da Cruz Nunes 5803
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Cristovão Fonseca Labuto Junior
(21) 2756-0114
Ginecologia e Obstetrícia Medicina Intensiva
Sao Joao de Meriti, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Frederico Azevedo
(21) 2545-9005
Siqueira Campos 93 - 703
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Oftalmologia

Fornecido por: 

A retinopatia é uma complicação visual progressiva associada ao diabetes e atualmente atinge proporções epidêmicas no mundo, com impacto econômico importante, sendo a primeira causa de cegueira em pessoas na idade produtiva em países desenvolvidos. Um estudo realizado na Unicamp demonstrou alterações moleculares e celulares na retina que precedem as alterações clássicas iniciais presentes na retinopatia diabética, e os efeitos protetores do uso de bloqueador do receptor de angiotensina (losartan), medicação utilizada no tratamento da hipertensão arterial. Os dados obtidos em ensaios com animais diabéticos e hipertensos foram recentemente publicados na versão on-line da Diabetes,a revista de maior impacto na área.  

O estudo foi financiado pela Fapesp e desenvolvido integralmente por pesquisadores do Laboratório de Fisiopatologia Renal, que é chefiado pelo professor José Butori Lopes de Faria e vinculado à disciplina de Nefrologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) e que há quinze anos investiga complicações causadas pelo diabetes, como a renal (nefropatia) e a perda da acuidade visual (retinopatia). Dados atuais indicam que 8% dos brasileiros têm diabetes, principalmente na sua forma adulta (tipo 2) e que geralmente é acompanhada de obesidade e hipertensão arterial.

A hipertensão arterial é o fator de risco associado à hiperglicemia mais importante para o desenvolvimento e progressão da retinopatia. A presença da hipertensão é muito frequente na população diabética e seu controle reduz em até 35% o risco de desenvolvimento de retinopatia diabética nestes pacientes. A retinopatia acomete virtualmente 100% dos pacientes diabéticos, mas somente um subgrupo de 60% irá desenvolver formas graves que podem levar à perda irreversível da visão por hemorragia vítrea e descolamento de retina”, afirma a oftalmologista e professora Jacqueline Mendonça Lopes de Faria, que figura entre os autores do artigo.

Na opinião da pesquisadora da FCM, a hipertensão, portanto, é um fator de risco tão importante para o desenvolvimento da retinopatia quanto a própria hiperglicemia. “Nossas pesquisas estão voltadas para os mecanismos que originam esta doença, a fim de propor ações e tratamentos. Para isso, recorremos a modelos animais tornados diabéticos experimentalmente e geneticamente hipertensos, que nos aproximam muito da realidade da maioria dos pacientes diabéticos”.

Jacqueline Lopes de Faria informa que o Laborat&oa...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net