Consultório de Pneumologista Alegrete, Rio Grande do Sul

Encontre consultório de pneumologista em Alegrete. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Gislaine Astir Lunardi Flores
(51) 3012-1739
General Neto 143
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Flávio Dias Silva
(51) 3341-0100
Av. Andaraí 130
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Maria Cristina G Barbosa e Silva
(53) 3273-5103
Rua Senador Mendonça 301 - 403
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Alvaro Jose Castilhos
(54) 221-4398
Garibaldi 789
Caxias Do Sul, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Valerie Noronha Menezes Kreutz
051 36010723
rua bento gonçalves 1049
Osorio, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Jorge David Rocha Zanol
(51) 3333-9393
Nilopolis 145
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Melissa Marcanzoni Bortolotto
(51) 3486-1291
Papa João Xxiii 28
Gravatai, Rio Grande do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Marilene Lucas Oliveira Bicca
(53) 3222-7398
Rua Anchieta 2396
Pelotas, Rio Grande do Sul
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Elizabeth Lemos Silveira
(51) 3222-7139
Rua Dona Laura 45 - 204
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Arlinda Quesada Beck
3320-3000
Ipiranga 6690 6690
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Pneumologista

Fornecido por: 

Entrada de conteúdo gástrico ou outras substâncias no trato respiratório, podendo causar obstrução de vias aéreas e / ou inflamação química dos pulmoes.


CAUSAS TÓXICAS

Qualquer agente que cause perda dos reflexos de proteção de vias aéreas, particularmente aqueles que resultam em depressão do sistema nervoso central ou convulsões.

A aspiração pulmonar de certos hidrocarbonetos pode resultar em pneumonite química sem depressão significante do nível de consciência.


CAUSAS NÃO TÓXICAS

  • Anestesia (geral ou local faringeana)
  • Acidente cerebrovascular
  • Refluxo gastro-esofágico
  • Alimentação por sonda nasogástrica
  • Doenças neuromusculares
  • Convulsões ou estado pós-comicial


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

Os sintomas e sinais clínicos são aqueles encontrados tipicamente na pneumonite química e aparecem rapidamente, geralmente dentro de duas horas após a aspiração. Os sinais e sintomas incluem dispnéia, tosse, febre, sibilos e cianose, que podem ser parcialmente ou completamente obscurecidos pelas manifestações clínicas da intoxicação (especialmente depressão do SNC).

O diagnóstico pode ser confirmado pela presença de infiltrado em Raio X de tórax e / ou relativa hipoxemia, ou pela broncoscopia.

Os casos graves podem progredir para hipoxemia importante (Pão2 < 50 mmHg), apnéia e choque.


DIAGNOSTICO DIFERENCIAL

  • Edema pulmonar não cardiogênico
  • Pneumonia de origem infecciosa
  • Embolia pulmonar
  • Síndromes de angústia respiratória (SARAS)


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

Raio X de tórax: tipicamente mostra infiltrado bilateral difuso (aspiração maciça) ou em segmentos pulmonares dependentes (segmentos posteriores do lobo superior, segmentos superiores dos lobos inferiores e segmentos basais dos lobos inferiores). Entretanto, qualquer distribuição do infiltrado radiológico associado às alterações clínicas sugerem o diagnóstico.

Gasometria arterial: Hipoxemia e acidose respiratória. Gradiente de O2 alveolar-arterial apresenta correlação com a gravidade da pneumonite.

Broncoscopia.


TRATAMENTO

Tratamento inicial é de suporte e inclui:

  • Estabelecimento da permeabilidade de vias aéreas.
  • Ventilação adequada.
  • Administração de oxigênio suplementar.
  • Aspiração vigorosa de vias aéreas para remoção de qualquer material aspirado residual.
  • Nebulização com broncodilatores.
  • Administração de líquidos para manutenção de volemia normal.

Antibioticoterapia profilática não é indicada. Antibióticos devem apenas ser administrados para tratar infecção bacteriana secundária (veja abaixo).

Em um primeiro momento a opção pelos antibióticos é empírica, mas pode ser modificada subsequentemente conforme resultados de cultura.

Bacilos aeróbicos gram-negativos são prováveis em pacientes alcoólatras ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net