Consultório de Pneumologista Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Encontre consultório de pneumologista em Campo Grande. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Lucia Maia Peron
(67) 3325-4041
R Rua da Paz 561 - Sala 04
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Castoc Clínica Polícia Civil
(67) 3384-5427
r Antônio Maria Coelho, 295
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
CFIPS
(67) 3321-6760
r Bahia, 812 Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Celso Tabosa, Dr./Ultra-Sonografia Monte Líbano
(67) 3027-6137
r 7 Setembro, 1150 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Medico Jorge Abri
(67) 3321-8921
r Antônio Maria Coelho, 2912 Vila da Saúde
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Mais Campo Grande Ms
(67) 3322-2100
Pedro Celestino 2670
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Clínica Alvorecer
(67) 3326-1461
r Goiás, 1210 Vila Paraíso
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Angiomed Serviços Médicos e Laboratoriais Ltda
(79) 3211-3134
r João Calanzas,Ver, 93, Centro
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Centro Urologico Urovida
(67) 8126-8565
r Abrão Júliorahe, 1440 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Clínico Saúde Integrada
(67) 3321-2600
r 26 Agosto, 2070 Amambaí
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Pneumologista

Fornecido por: 

Entrada de conteúdo gástrico ou outras substâncias no trato respiratório, podendo causar obstrução de vias aéreas e / ou inflamação química dos pulmoes.


CAUSAS TÓXICAS

Qualquer agente que cause perda dos reflexos de proteção de vias aéreas, particularmente aqueles que resultam em depressão do sistema nervoso central ou convulsões.

A aspiração pulmonar de certos hidrocarbonetos pode resultar em pneumonite química sem depressão significante do nível de consciência.


CAUSAS NÃO TÓXICAS

  • Anestesia (geral ou local faringeana)
  • Acidente cerebrovascular
  • Refluxo gastro-esofágico
  • Alimentação por sonda nasogástrica
  • Doenças neuromusculares
  • Convulsões ou estado pós-comicial


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

Os sintomas e sinais clínicos são aqueles encontrados tipicamente na pneumonite química e aparecem rapidamente, geralmente dentro de duas horas após a aspiração. Os sinais e sintomas incluem dispnéia, tosse, febre, sibilos e cianose, que podem ser parcialmente ou completamente obscurecidos pelas manifestações clínicas da intoxicação (especialmente depressão do SNC).

O diagnóstico pode ser confirmado pela presença de infiltrado em Raio X de tórax e / ou relativa hipoxemia, ou pela broncoscopia.

Os casos graves podem progredir para hipoxemia importante (Pão2 < 50 mmHg), apnéia e choque.


DIAGNOSTICO DIFERENCIAL

  • Edema pulmonar não cardiogênico
  • Pneumonia de origem infecciosa
  • Embolia pulmonar
  • Síndromes de angústia respiratória (SARAS)


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

Raio X de tórax: tipicamente mostra infiltrado bilateral difuso (aspiração maciça) ou em segmentos pulmonares dependentes (segmentos posteriores do lobo superior, segmentos superiores dos lobos inferiores e segmentos basais dos lobos inferiores). Entretanto, qualquer distribuição do infiltrado radiológico associado às alterações clínicas sugerem o diagnóstico.

Gasometria arterial: Hipoxemia e acidose respiratória. Gradiente de O2 alveolar-arterial apresenta correlação com a gravidade da pneumonite.

Broncoscopia.


TRATAMENTO

Tratamento inicial é de suporte e inclui:

  • Estabelecimento da permeabilidade de vias aéreas.
  • Ventilação adequada.
  • Administração de oxigênio suplementar.
  • Aspiração vigorosa de vias aéreas para remoção de qualquer material aspirado residual.
  • Nebulização com broncodilatores.
  • Administração de líquidos para manutenção de volemia normal.

Antibioticoterapia profilática não é indicada. Antibióticos devem apenas ser administrados para tratar infecção bacteriana secundária (veja abaixo).

Em um primeiro momento a opção pelos antibióticos é empírica, mas pode ser modificada subsequentemente conforme resultados de cultura.

Bacilos aeróbicos gram-negativos são prováveis em pacientes alcoólatras ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net