Consultório de Urologia Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Encontre consultório de urologia em Campo Grande. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Lucia Maia Peron
(67) 3325-4041
R Rua da Paz 561 - Sala 04
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Clínica Alvorecer
(67) 3326-1461
r Goiás, 1210 Vila Paraíso
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Ana Paula Lanza Paes-Pediatra Neonatologista
(67) 3327-0129
r Mar Antilhas, 19 Chácara Cachoeira
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Angiomed Serviços Médicos e Laboratoriais Ltda
(79) 3211-3134
r João Calanzas,Ver, 93, Centro
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Centro Clínico Saúde Integrada
(67) 3321-2600
r 26 Agosto, 2070 Amambaí
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Mais Campo Grande Ms
(67) 3322-2100
Pedro Celestino 2670
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
CFIPS
(67) 3321-6760
r Bahia, 812 Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Castoc Clínica Polícia Civil
(67) 3384-5427
r Antônio Maria Coelho, 295
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Urologico Urovida
(67) 8126-8565
r Abrão Júliorahe, 1440 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Medico Jorge Abri
(67) 3321-8921
r Antônio Maria Coelho, 2912 Vila da Saúde
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Consultório de Urologia

Fornecido por: 

Os homens latinos costumam fugir destes exames como crianças, mas a única maneira de prevenir o câncer de próstata é fazer check-ups a partir dos 45 anos, já que a doença não apresenta nenhum tipo de sintoma.
  
Organização Mundial de Saúde, OMS, e a American Urologycal Association, AUA, recomendam que a partir dessa idade os homens façam, obrigatoriamente, dois exames anuais, dosagem do antígeno prostático específico e toque retal.

O antígeno prostático específico, também conhecido no Brasil pela sigla PSA, é uma proteína presente no sangue e quando tem níveis altos é fortemente sugestiva de câncer.

"As chances de esse exame simples, não-invasivo e de alta especificidade darem um diagnóstico correto são de 85 por cento", disse Joaquim de Almeida Claro, professor assistente de Urologia da Universidade Federal de São Paulo.

O exame digital da próstata, o famoso e repelido toque retal, é feito no consultório médico e absolutamente indolor. É capaz de detectar o surgimento de um tumor.

"A população latina não aceita bem esse tipo de exame por um problema cultural e também por achar que afeta a masculinidade", disse. "Mas é um exame importantíssimo e de fácil realização."

O ultra-som da próstata é indicado apenas quando o PSA ou o toque retal deixarem dúvidas. Por meio dele, é possível observar o tamanho e os contornos do órgão, se está normal e nítido, averiguar se existem nódulos e até guiar o médico para a realização de uma biópsia, retirada de um fragmento do tecido.

Novos casos

Só nos Estados Unidos, onde cerca de 10 por cento da população masculina é afetada, ocorrem de 250 a 300 mil novos casos por ano. No Brasil, não existem estatísticas abrangentes sobre o assunto.

O grupo de maior risco de câncer de próstata é os negros, que o desenvolvem mais cedo e de forma mais agressiva. Já nos orientais, esse tipo de doença é mais raro.

Os homens com antecedentes familiares de câncer de próstata ou que têm registros de casos de câncer de mama na família também têm o risco aumentado. Joaquim Claro explicou que os tumores de mama e próstata estão interligados.

Dois dos motivos apontados como responsáveis pela incidência da doença são a longevidade e alimentação. A primeira porque a população masculina está vivendo mais e, por isso, corre mais riscos de desenvolver o câncer de próstata. A ciência comprovou que dietas ricas em gordura favorecem esse tipo de tumor.

Tratamentos

Embora a medicina tenha avançado muito no modo de identificar a doença, ainda engatinhava, até há pouco tempo, no tratamento. Somente há três anos foi possível diminuir o índice de mortes, que beirava os 20 mil por ano nos Estados Unidos em 1998.

"É um número aceitável diante de 300 mil casos norte-americanos", disse Joaquim Claro.

A cirurgia radical, que retira o tumor, a próstata e as vesículas seminais, é considerada a melhor forma de tratamento.

"Quando o diagnóst...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net