Apnéia do sono Timon, Maranhão

Conheças as causas da apnéia do sono. O autor detalha as implicações desse distúrbio respiratório. Saiba também quais são as doenças e os fatores que favorecem às apnéias obstrutivas. O médico Ronaldo Gomes explica os detalhes. Consulte a lista de especialistas da área, em Timon.

Carla Soares Fortes
(86) 3221-6050
R Olavo Bilac 2300 - Ambulatorio H Sao Marcos
Teresina, Piauí
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Lucia Maria Machado Rego
863-2225
R Primeiro de Maio 1066
Teresina, Piauí
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Lucia Maria de Miranda Adad
(86) 221-8240
R Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 616 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Angelica T. S. Ramos
(98) 231-2924
Rua Sao Pantaleao 169
Sao Luis, Maranhão
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Romulo Augusto Moreira Lima
(98) 3232-6504
Rua 1282 - Casa
Sao Luis, Maranhão
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Joaquim Vaz Parente - Clam
233-2721
Av Dom Severino 1410
Teresina, Piauí
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Benedita Andrade Leal de Abreu
R Desembargador Pires de Castro 489 - S
Teresina, Piauí
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Ibraim Almeida Filho
(98) 3231-3717
Apicum 103 - Centro Médico
Sao Luis, Maranhão
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Icem-Instituto de Cirurgia e Endoscopia
(98) 3232-3011
Rua dos Afogados 241
Sao Luis, Maranhão
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Clinica Sao Rafael Ltda
(98) 3238-1552
r Quatorze, 12, Areinha
São Luís, Maranhão

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Apnéia do sono

Fornecido por: 

Apnéia do sono - Por que ocorre a apnéia do sono?

Para entender melhor como ocorrem as apnéias / hipopnéias é necessário recordar a fisiologia básica do controle da ventilação. O referido controle realiza através de duas vias: a voluntária e a automática. Esta última, única durante o sono, regula a ventilação em função das necessidades do organismo através de uma série de receptores (quimiorreceptores e mecanorreceptores). Desde os centros respiratórios são emitidas uma série de estímulos dirigido a dois grupos musculares: 1) os músculos ventilatórios, cuja a contração é responsável em maior ou menor grau do esforço inspiratório, e 2) os músculos que mantém aberta a via aérea superior, com o objetivo de mate-la permeável durante a contração dos músculos ventilatórios. A resultante será uma adequada ventilação pulmonar. Ambos grupos musculares deverão estar corretamente coordenados para que o esforço inspiratório seja eficaz. Os músculos da via aérea superior se dividem em três grupos:

  1. Músculos da nasofaringe: o mais representativo seria o "tensor palatini", cuja função principal é abrir o palato mole durante a respiração.

  2. Músculos da orofaringe: o mais representativo é o genioglosso, que evita que a base da língua se projete posteriormente durante o sono e provoque uma obstrução  a este nível.

  3. Músculos da hipofaringe: mantém a via aérea permeável nesta topografia.

No esquema seguinte estão relacionados os aspectos mais peculiares do controle da ventilação pulmonar durante o sono.

Controle da Ventilação Pulmonar durante o sono. Principais características:

1 - Músculo da Via Aérea Superior:

  • Redução de sua atividade tônica e fásica.

2 - Centros Respiratórios:

  • Diminuição dos estímulos procedentes dos centros respiratórios para os músculos da via aérea superior, especialmente na fase REM.

  • Redução das respostas ventilatórias a hipoxemia, hipercapnia e a resistência da via aérea.

3 - Diminuição da Ventilação Durante o Sono:

  • Diminuição do metabolismo basal.

  • Redução das respostas ventilatórias a hipoxemia e hipercapnia.

  • Os centrosrespiratórios estão ajustados para manter um PCO2 arterial de 3 a 4 mmHg superior durante o sono.

Atividade dos músculos da via aérea superior:

Durante o dia os músculos da via aérea superior possuem uma importante atividade tônica e uma mínima atividade fásica, resultando em uma faringe pouco colapsável e uma luz ampla. Durante o sono decresce a atividade tônica dos músculos da via aérea superior bem como há uma redução da atividade fásica.   Disto resulta que durante o sono, mesmo em indivíduos sadios e em condições normais, a luz da via aérea superior encontra-se diminuída e por sua vez mais colapsável. É produzido portanto, um aumento da resistência da via aérea superior durante o sono, que em condições normais não tem maior significado, dado que durante a inspiração a ativid...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net