Prevenção da osteoporose Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Saiba quais são as circunstâncias que favorecem o desenvolvimento da osteoporose. As autoras Claudia Simões, Joseane Carvalho e Marcília Morais descrevem os principais fatores de risco. "As mulheres têm um risco quatro vezes maior de desenvolver osteoporos Consulte a lista de especialistas da área, em Campo Grande.

Lucia Maia Peron
(67) 3325-4041
R Rua da Paz 561 - Sala 04
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
CFIPS
(67) 3321-6760
r Bahia, 812 Jardim dos Estados
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Médico
(67) 3321-2988
r 15 de Novembro, 1017 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Angiomed Serviços Médicos e Laboratoriais Ltda
(79) 3211-3134
r João Calanzas,Ver, 93, Centro
Aracaju, Sergipe

Dados Divulgados por
Clínica Bittencourt
(67) 3324-2211
r 7 de Setembro, 2500 Vila XV de Novembro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Mais Campo Grande Ms
(67) 3322-2100
Pedro Celestino 2670
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Castoc Clínica Polícia Civil
(67) 3384-5427
r Antônio Maria Coelho, 295
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Clínica Alvorecer
(67) 3326-1461
r Goiás, 1210 Vila Paraíso
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Centro Medico Jorge Abri
(67) 3321-8921
r Antônio Maria Coelho, 2912 Vila da Saúde
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Celso Tabosa, Dr./Ultra-Sonografia Monte Líbano
(67) 3027-6137
r 7 Setembro, 1150 Centro
Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Prevenção da osteoporose

Fornecido por: 

Osteoporose - Fatores de risco

A osteoporose é uma doença complexa, cujas causas não são totalmente conhecidas. Sabe-se, entretanto, que certos fatores estão associados a um maior risco para o desenvolvimento dessa doença. Dentre esses fatores destacam-se :

idade avançada, especialmente mulheres;

início de menopausa ou menopausa precoce (antes dos 45 anos);

histórico familiar de fraturas em mulheres idosas;

raça branca e asiática;

baixa ingestão de cálcio; Saúde em Movimento.com.br

baixa estatura ou baixo peso;

sedentarismo ou exercícios físicos excessivos;

doenças endócrinas, tais como hiperparatireoidismo, tirotoxicose, síndrome de Cushing;

doenças reumáticas, tais como artrite reumatóide e distúrbios hematológicas como o mieloma múltiplo (www.familydoctor.co.nz);

pacientes imobilizados em uma cama ou cadeira de rodas por tempo prolongado.

No entanto, a despeito desses fatores de risco, podem ser tomadas certas precauções, no sentido de, ainda na infância e adolescência, assegurar um desenvolvimento normal do esqueleto através da ingestão adequada de cálcio e vitamina D, pela exposição ao sol e dieta conveniente, acompanhando o ganho de peso e estatura, bem como a idade de entrada na puberdade. O grande objetivo é fazer com que a criança e o adolescente alcancem o maior pico de massa óssea possível. Mais tarde, na idade adulta, depois que esse pico já foi alcançado e, por toda a vida, deve-se manter os ossos saudáveis através da prática de esportes, manutenção da ingestão de vitamina D e de cálcio e, ainda, evitando o fumo e o consumo excessivo de álcool.

As mulheres têm um risco quatro vezes maior de desenvolver osteoporose que os homens, basicamente em função da diminuição de hormônios sexuais femininos após a menopausa. Entretanto, os homens também podem desenvolver a doença, embora menos freqüentemente, em decorrência de distúrbios hormonais ou do uso de alguns medicamentos.

A taxa de incidência de osteoporose entre mulheres e homens é de aproximadamente 1,5:1 para as fraturas de colo, 7:1 para as fraturas vertebrais e 2:1 para as fraturas de quadril. Após cada fratura, menos de um terço dos pacientes recupera suas funções motoras em 12 meses (Favus et alli, 1993).

Alguns fatores são "protetores" da osteoporose. São eles:

obesidade, uma vez que a vitamina D é mais solúvel na gordura e, essas pacientes têm maior sensibilidade, à ação do paratormônio e maior densidade mineral óssea (DMO);

atividade física regular, que ajuda a fortificar os ossos; Saúde em Movimento.com.br

ingestão adequada de cálcio, a fim de suprimir as necessidades diárias do organismo;

exposi...

consumo excessivo de álcool e/ou café;

fumo;

uso de certos fármacos, tais como prednisona, fenitoína, tiroxina, heparina, entre outros;

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net