Ginecologista Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais

A página abaixo contêm todas as informações locais que são relevantes quando se trata de ginecologistas em Conselheiro Lafaiete. Encontre profissionais da sua região, artigos educativos, eventos, opiniões, etc. Tudo em uma única página!

Marco Antonio Basbaum
(31) 3286-3825
Av. Raja Gabaglia 4961 - Salas 108 a 112
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Eliana Chaves Salomao
(34) 3236-9490
R. Tenente Virmondes 55
Uberlandia, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Alexandre Antonio Barroso Vieira
(37) 3222-9999
Av. Getúlio Vargas 715
Divinopolis, Minas Gerais
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Gustavo Decina Vieira
(31) 3232-0550
Joaquim Gouveia 560
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Sonia Maria Neumann Cupolilo
323-2152
Av Rio Branco 2986 - Terreo
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Maria Angelica Costa Simoes Abdalla
(32) 3217-6498
Rua Constantino Paleta 134
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Adilson Savi
321-3448
Al Ezequiel Dias 389 - 2 Andar
Belo Horizonte, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Terezinha de Oliveira Ribeiro
(32) 3332-1165
Barbacena, Minas Gerais
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Marcio Grillo de Bretas
323-2176
Rua Constantino Paleta 134
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Jose Edelberto Sanches
323-2152
Av Rio Branco 2986 - Terreo
Juiz de Fora, Minas Gerais
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Ginecologista

Fornecido por: 

Menopausa - Saiba o quê é

  • O que é Menopausa
  • Sintomas e efeitos a curto, médio e longo prazos
  • Causas da menopausa
  • Tratamento
  • Esquema da terapia e formas de reposição hormonal

O que é Menopausa?

A menopausa se refere a um episódio único, ou seja, o evento da última menstruação espontânea, caracterizando o fim da fase reprodutiva da mulher. O climatério, por sua vez, é o período de transição entre os anos férteis da mulher e sua senilidade.

A característica básica da menopausa é a falência completa da função ovariana, levando a uma deficiência de hormônios, principalmente o estrógeno e a progesterona.

S intomas e efeitos a curto, médio e longo prazos

Apesar de ser um fenômeno natural, a menopausa causa importantes efeitos sobre a saúde feminina. Os efeitos a curto prazo (pré-menopausa) são: ondas de calor, sudorese, palpitação e sensação de tontura. A médio prazo (peri-menopausa) podem ocorrer os seguintes efeitos: atrofia vaginal e cutânea (rugas), alterações urinárias e alterações psicológicas. Os efeitos a longo prazo (pós-menopausa) são alterações ósseas e cardiovasculares.

C ausas da menopausa

No Brasil, cerca de 14% da população feminina encontra-se no climatério. A menopausa pode ser precoce e tardia, podendo também ser causada por:

  • tendência familiar;
  • fibromas uterinos;
  • diabetes mellitus;
  • tumor estrogênico do ovário;
  • retirada cirúrgica (histerectomia).

O fim da vida reprodutiva não significa mais o começo do fim. Ao contrário, é o marco inicial de uma nova fase da vida, com desafios únicos e novas oportunidades.

T ratamento

Para muitas mulheres, o climatério é um dos fatos da vida e assim deve ser encarado passivamente. Esta postura se modifica na medida em que existam mais esclarecimentos com relação aos riscos e benefícios da terapia a longo prazo.

A maior preocupação das mulheres dá-se em torno do alívio dos sintomas vasomotores (fogachos), sintomas psíquicos (depressão) e, eventualmente, sintomas geniturinários (dispareunia e secura vaginal). Para a maioria delas, esses são os sintomas que as levam a buscar orientação médica, e não os aspectos crônicos, como a prevenção da osteoporose e das doenças cardiovasculares (DCV).

A terapia de reposição hormonal é indicada para as mulheres com deficiência hormonal, sem anormalidades uterinas e contra-indicações, com finalidades curativas e preventivas, logo após o início dos sintomas.

Os estrogênios não devem ser administrados a pacientes com história de câncer de mama ou de endométrio, moléstia hepática em atividade ou problemas tromboembólicos ou que apresentem hipertensão arterial.

E squema da terapia e formas de reposição hormonal

Vários esquemas são propostos, cabendo ao médico o poder de decidir qual será o de sua preferência para cada caso.

  • Estrogênio cíclico: apenas em mulheres histerectom...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net