Laboratório de Análises Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Encontre laboratório de análises em Campo Grande. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Ana Lucia Kiyomi Shimabuko Dobashi
(67) 3384-6194
Av. Mato Grosso 2209
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
James Camara Andrade
3324-2061
Rua Sao Paulo 68
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Alcione Italo Balsanelli Junior
(67) 3323-1800
Rua Padre Joao Crippa 1098
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Vilma Cubel Goncalves
(67) 3384-7515
Quinze Deovembro 1017
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Tsutomu Fukuchi
(67) 3326-1935
Rua Roncador 850
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Eliana Yonamine
(67) 3321-2258
Rua 24 - de Outubro 50
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Carmen Sandra Mequi
673-0296
Rua Barao do Rio Branco 1550
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Meyer Ostrowsky
(67) 3042-2160
Rua Amazonas 451
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Wagner Luiz Vinholi
(67) 3382-3148
R 26 - de Agosto 1700
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Alexandre Casali Neto
(67) 3321-3936
Rua Doutor Arthur Jorge 1096
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Laboratório de Análises

Fornecido por: 

Em entrevista à Agência Brasil, o engenheiro Cesare Quinteiro explicou o trabalho em curso para desenvolver um método de medição da glicose através da íris, evitando assim a necessidade de extrair sangue para aferir taxas de açúcar.

O trabalho está sendo feito em conjunto por uma equipe de membros da Universidade Federal de Santa Catarina (UFCS) e do Laboratório de Metrologia Científica e Industrial (LabMetro), coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia Mecânica, Armando Albertazzi.

Em tese defendida recentemente, foi comprovado que a coloração da íris se altera de acordo com as taxas de açúcar no organismo.

Para os pesquisadores, isso é sinal de que existe a possibilidade de se descobrir a variação do nível de glicose no sangue por meio de análises da cor da íris.

Segundo o engenheiro Cesare Quinteiro, um dos pesquisadores do grupo, a alteração da tonalidade da íris, no entanto, não é perceptível a olho nu.

Também, ainda de acordo com o engenheiro, não há uma relação diretamente proporcional entre o aumento da glicemia e da intensidade da cor da íris.

"Em algumas pessoas a tonalidade aumentou e em outras diminuiu", afirmou o pesquisador.

Para chegar aos resultados obtidos, foi utilizado um programa de computador que cruzava os dados individuais e registrava as mudanças em cada um dos voluntários.

"Conforme a intensidade da cor de uma região da imagem, a câmera atribuiu um valor, de acordo com uma escala que vai de 0 (zero) a 255. Portanto, para o computador, a cor de uma região da imagem é definida por um valor dessa escala", explicou.

As pessoas que participaram do experimento tiveram seus olhos fotografados com equipamento digital, à mesma distância, foco e iluminação.

Apesar dos indícios de que seja possível desenvolver um método para medição de glicose pela íris, o coordenador da pesquisa, Armando Albertazzi, se diz cauteloso em relação ao tempo que um produto para essa finalidade levaria para chegar ao mercado.

"Da pesquisa até se chegar a um produto comercial, leva-se uma década de trabalho", avaliou.

O professor afirmou que, para aperfeiçoar o sistema, é preciso desenvolver estudos visando a tornar o software empregado nas análises mais preciso, assim como aumentar o campo de avaliação e o número de pacientes.

"Estamos caminhando para materializar uma possibilidade de leitura totalmente baseada no olho", destacou Albertazzi, salientando que também é importante maior interação com a medicina.

"É preciso estudar melhor o ser humano e os outros fatores que podem alterar a coloração", frisou.

Atualmente, as medições são feitas com glicosímetros que utilizam tiras reagentes com preço médio de R$ 1,50.

Albertazzi diz que os primeiros estudos surgiram da curiosidade. "Ouve-se falar que a íris fornece uma série de informações sobre o corpo", explica o estudioso. "Será que não havia algo sobre a glicemia?".

...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net