Laboratório de Análises Rio Branco, Acre

Encontre laboratório de análises em Rio Branco. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Hercules Magalhaes Olivense do Carmo
(68) 3223-9051
Rua Alvorada 178 - Sala 14
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Mario Gil de Paula Afonso
(06) 822-3690
Rua Alvorada 21
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jadson Rago Junior
Rua Hugo Carneiro 401
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Edson Messias do Nascimento Chaves
(68) 3223-3740
R Alvorada 178 - Sala 08Hospital Santa Casa
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Maria Luiza A Barbosa
Rua Alvorada 178 - ao Lado da Santa Casa
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Katia Lima Andrade Ravena Acuna
(68) 224-7169
Rua Alvorada 806
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jose Rosa Paulino
(06) 8224-9640
Rua Francisco Mangabeira 72 - Sala 101 72 Sala 101
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Jose Edson da Silva
(68) 3224-1678
Rua Alvorada 18 - Santa Casa de Misericórdia
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Cirley Maria de Oliveira Lobato
(06) 8228-0766
Travessa Mario de Oliveira 77 - 77
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Saul Ruiz Suarez
(68) 3223-3086
R Pernambuco 1 - .133Proximo ao Posto Parati
Rio Branco, Acre
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Laboratório de Análises

Fornecido por: 

Em entrevista à Agência Brasil, o engenheiro Cesare Quinteiro explicou o trabalho em curso para desenvolver um método de medição da glicose através da íris, evitando assim a necessidade de extrair sangue para aferir taxas de açúcar.

O trabalho está sendo feito em conjunto por uma equipe de membros da Universidade Federal de Santa Catarina (UFCS) e do Laboratório de Metrologia Científica e Industrial (LabMetro), coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia Mecânica, Armando Albertazzi.

Em tese defendida recentemente, foi comprovado que a coloração da íris se altera de acordo com as taxas de açúcar no organismo.

Para os pesquisadores, isso é sinal de que existe a possibilidade de se descobrir a variação do nível de glicose no sangue por meio de análises da cor da íris.

Segundo o engenheiro Cesare Quinteiro, um dos pesquisadores do grupo, a alteração da tonalidade da íris, no entanto, não é perceptível a olho nu.

Também, ainda de acordo com o engenheiro, não há uma relação diretamente proporcional entre o aumento da glicemia e da intensidade da cor da íris.

"Em algumas pessoas a tonalidade aumentou e em outras diminuiu", afirmou o pesquisador.

Para chegar aos resultados obtidos, foi utilizado um programa de computador que cruzava os dados individuais e registrava as mudanças em cada um dos voluntários.

"Conforme a intensidade da cor de uma região da imagem, a câmera atribuiu um valor, de acordo com uma escala que vai de 0 (zero) a 255. Portanto, para o computador, a cor de uma região da imagem é definida por um valor dessa escala", explicou.

As pessoas que participaram do experimento tiveram seus olhos fotografados com equipamento digital, à mesma distância, foco e iluminação.

Apesar dos indícios de que seja possível desenvolver um método para medição de glicose pela íris, o coordenador da pesquisa, Armando Albertazzi, se diz cauteloso em relação ao tempo que um produto para essa finalidade levaria para chegar ao mercado.

"Da pesquisa até se chegar a um produto comercial, leva-se uma década de trabalho", avaliou.

O professor afirmou que, para aperfeiçoar o sistema, é preciso desenvolver estudos visando a tornar o software empregado nas análises mais preciso, assim como aumentar o campo de avaliação e o número de pacientes.

"Estamos caminhando para materializar uma possibilidade de leitura totalmente baseada no olho", destacou Albertazzi, salientando que também é importante maior interação com a medicina.

"É preciso estudar melhor o ser humano e os outros fatores que podem alterar a coloração", frisou.

Atualmente, as medições são feitas com glicosímetros que utilizam tiras reagentes com preço médio de R$ 1,50.

Albertazzi diz que os primeiros estudos surgiram da curiosidade. "Ouve-se falar que a íris fornece uma série de informações sobre o corpo", explica o estudioso. "Será que não havia algo sobre a glicemia?".

...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net