Médico Oncologista Brusque, Santa Catarina

Encontre médico oncologista em Brusque. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Francisco Salvador Brod Lino
(47) 3336-4660
Rua Capitão Santos 75
Blumenau, Santa Catarina
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Hemos Medicina Laboratorial Avancada
(47) 3041-9919
Alameda Rio Branco 680
Blumenau, Santa Catarina
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Daniela Longhi de Castro
(47) 3366-0334
Avenida Alvin Bauer 810 - 1° Andar
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Amandio Rampinelli
3222-6541
Rua Felipe Schmidt 390 - 910
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Maria Beatriz Cacese Shiozawa
3224-1888
Rua Dom Jaime Camara 77 - 601
Florianopolis, Santa Catarina
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Joelson Freitas Leite
(47) 3231-0242
Rua Armando Odebrecht 70 sala 308 CENTRO CLINICO SANTA CATARINA
Blumenau, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Karine Becker Gerent
(47) 3321-4000
Rua Itajai 545
Blumenau, Santa Catarina
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Vera Lúcia Velloso Brandão Silva
(49) 3321-0078
Rua Floriano Peixoto 316 - L
Chapeco, Santa Catarina
Especialidade
Administração em Saúde

Dados Divulgados por
Volnei - Serv de Anatomia Patologica
(48) 622-0289
Patologia Patologia Clínica/Medicina Laboratorial
Tubarao, Santa Catarina
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Daniela Longhi de Castro
(47) 3366-0334
Avenida Alvin Bauer 810 - 1° Andar
Balneario Camboriu, Santa Catarina
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Médico Oncologista

Fornecido por: 

O câncer de mama é o responsável dentre os cânceres pelo maior número de óbitos em mulheres. Seu impacto é enorme tanto com relação a seu grau de letalidade como em relação as alterações da sexualidade, auto-imagem e auto-estima, bem como gastos impotantes relativos ao tratamento e perda da produtividade destas mulheres.
Embora sejam raros os casos abaixo de trinta e cinco anos, após essa faixa, o aparecimento de novos casos aumenta progressivamente, tanto em países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), entre as décadas de 60 e 70 houve um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência da doença, sob influência de diversos fatores, sobretudo o aparecimento de melhores sensos e notificações, mas também os diversos hábitos contemporâneos.

Segundo a Sociedade Americana de Cancerologia, uma em cada dez mulheres tem probabilidade de vir a desenvolver um câncer de mama. Os números brasileiros para o início de 1999 foram, segundo o Instituto Nacional do Câncer, do Ministério da Saúde, da ordem de 32.695 novos casos, podendo ter chegado a 34.000, com um índice de mortalidade em torno de 8.000 óbitos. A grande maioria dos casos (50 a 60%), lamentavelmente é diagnosticada em estados adiantados da doença (estados III e IV), quando a possibilidade e a esperança de um tratamento curativo está esvaziada.

Embora alguns fatores de risco tenham sido já identificados, como história familiar, uso frequente (constante) de álcool, menopausa e gravidez tardia, ainda é a detecção precoce do câncer o melhor fator para impedir o quadro evolutivo desta doença.

Os três meios mais importantes de detecção são a mamografia, recomendada com variações de tempo, dependendo da idade; o exame clínico por profissional de saúde, insubstituível em seu poder de avaliação e o auto-exame da mama, que pode ser feito em casa, mensalmente, e mostrou ser eficaz na detecção de tumores menores e com menos afecção de gânglios circunvizinhos.

Em mulheres que praticam o auto-exame de mama, demonstrou-se que o tempo de sobrevida em cinco anos foi 18% maior no grupo que pratica corretamente o auto-exame.

Após o diagnóstico, começa a difícil fase do tratamento, onde embora estejam depositadas as possibilidades de cura e de uma qualidade de vida melhor e mais digna, a mulher encontra dúvidas, ansiedades, medos, e o desconforto muitas vezes presen...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net