Médicos - Imunologia Cabo Frio, Rio de Janeiro

Encontre médicos - imunologia em Cabo Frio. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Alvaro Henrique Braga
257-6111
R. Br. de S. Francisco 373 - 301
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Paulo Soares de Azevedo
(21) 2205-7223
Rua Barão do Flamengo 21 - 701
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Herbert Praxedes-Hematologia Pat.Onc.e
(21) 610-7147
Rua Coronel Moreira Cesar 229
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Juliano Victor Albuquerque Luna
(21) 2295-3449
Av Venceslau Bras 71 - Fundos
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Larissa Correa Prieto
Est. Francisco da Cruz Nunes 5803
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Clarisse de Oliveira Waldstein de Moura
(21) 2622-2563
R Mem de Sa 19 - Sl. 1005
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Julio Cezar dos Santos
(24) 2231-4572
Rua Mal. Deodoro 46
Petropolis, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Leonardo Justin Carap
(21) 2719-9585
Rua Dr. Borman 23 - 1202
Niteroi, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Edson Bento Nascimento da Silva
(21) 2423-6079
Av. Nelson Cardoso 1149 - Sala 1519
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Heleine Laudelina de Almeida
24871615
Av. das Américas 16355 (cob.02) Recreio
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Medicina Estetica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Médicos - Imunologia

Fornecido por: 

Anafilaxia

DEFINIÇÃO

Anafilaxia é a manifestação imunológica de uma reação de hipersensibilidade tipo I, mediada por Ig E ou Ig G. Clinicamente

O termo é utilizado para descrever um grupo de sintomas (veja "manifestações clínicas" para a descrição completa) independente do mecanismo. Quando a base imunológica da síndrome não pode ser comprovada, o termo "anafilactóide" é utilizado.

A expressão clínica da anafilaxia é variável em gravidade, o broncoespasmo ocorre frequentemente, porém a manifestação de alto risco mais comum é o choque cardiovascular.


CAUSAS TÓXICAS

Inúmeras substâncias podem causar anafilaxia. Agentes causais comuns incluem:

  • Antivenenos
  • Derivados de sangue
  • Agentes químicos
  • Fármacos:

    Antibióticos
    Antiinflamatorios
    Analgésicos
    Agentes de quimioterapia
    Anestésicos locais
    Bloqueadores neuromusculares
    Agentes radiopacos

  • Alimentos:

    Castanhas
    Mariscos

  • Picadas de insetos
  • Látex
  • Plantas


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

História de exposição à substância capaz de produzir anafilaxia associada com as seguintes manifestações clínicas:

  • hipotensão
  • broncoespasmo
  • obstrução de vias aéreas
  • edema pulmonar
  • angioedema
  • edema generalizado
  • prurido
  • rash
  • vômitos
  • diarréia
  • dor abdominal

Em alguns casos, a história de exposição pode não ser clara.


DIAGNOSTICO DIFERENCIAL

  • Ansiedade
  • Asma
  • Broncoespasmo ou edema de glote devido a inalação de gases irritantes.
  • Choque cardiogênico
  • Corpo estranho em vias aéreas superiores
  • Hipovolemia
  • Embolismo pulmonar
  • Reflexo vasovagal


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

Sendo a anafilaxia considerada uma situação de emergência, não são necessárias investigações biomédicas antes de iniciar o tratamento.


TRATAMENTO

Epinefrina (Adrenalina)
Epinefrina é o tratamento preferencial para anafilaxia e deve ser administrada o mais rápido possível, enquanto são estabelecidas medidas de suporte vital. É usualmente administrada via intramuscular, mas pode ser administrada via subcutânea em casos leves. Administração intravenosa está somente indicada em casos graves devido ao risco de arritmias ventriculares. Em pacientes entubados, instalação endotraqueal é possível se não houver acesso venoso disponível.

Observações sobre o tratamento com epinefrina:

  • A dose de epinefrina NÃO É uma ampola.
  • Em pacientes entubados, se a infusão intravenosa não é possível, instilação endotraqueal é uma alternativa possível.
  • Pacientes em uso de beta-bloqueadores podem precisar maiores doses de epinefrina.

Oxigênio
Oxigênio suplementar deve ser administrado em todos pacientes. Nos casos graves, especialmente aqueles com obstrução de vias aéreas, esta...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net