Médicos - Imunologia Toledo, Paraná

Encontre médicos - imunologia em Toledo. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Affonso Coelho
(41) 3222-4896
Av Marechal Floriano Peixoto 228 - Cj 604
Curitiba, Paraná
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Paulo Renato Calliari
(41) 3224-3346
R. Lourenço Pinto 196 - Cj 802
Curitiba, Paraná
Especialidade
Medicina de Tráfego

Dados Divulgados por
Joao Bosco da Rocha Strozzi
(41) 3212-3213
Av Pres Kennedy 4121 - Shopping Palladium
Curitiba, Paraná
Especialidade
Medicina Preventiva e Social

Dados Divulgados por
Alair Alfredo Berbert
(43) 3334-0606
Rua Amador Bueno 268
Londrina, Paraná
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Claudio Tacashi Takada
(41) 9157-2909
Av: João Gualberto 1988
Curitiba, Paraná
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Salmo Raskin
(41) 3306-6838
Rua Saldanha Marinho 1782
Curitiba, Paraná
Especialidade
Genética Médica

Dados Divulgados por
Iara Rute Correa Duarte
(45) 9933-0288
Rua das Palmas 188 - Jardim das Flores
Curitiba, Paraná
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Jose Almeida Fonseca
232-1533
R Major Otavioovaes 112
Castro, Paraná
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Lycurgo Tostes de Andrade
(43) 3323-9784
Duque de Caxias 1980 - 204
Londrina, Paraná
Especialidade
Medicina Legal

Dados Divulgados por
Renato da Silva Freitas
(41) 3335-7474
R. Solimões 1154 Merces
Curitiba, Paraná
Especialidade
Cirurgia Cranio-Maxilo-Facial

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Médicos - Imunologia

Fornecido por: 

Anafilaxia

DEFINIÇÃO

Anafilaxia é a manifestação imunológica de uma reação de hipersensibilidade tipo I, mediada por Ig E ou Ig G. Clinicamente

O termo é utilizado para descrever um grupo de sintomas (veja "manifestações clínicas" para a descrição completa) independente do mecanismo. Quando a base imunológica da síndrome não pode ser comprovada, o termo "anafilactóide" é utilizado.

A expressão clínica da anafilaxia é variável em gravidade, o broncoespasmo ocorre frequentemente, porém a manifestação de alto risco mais comum é o choque cardiovascular.


CAUSAS TÓXICAS

Inúmeras substâncias podem causar anafilaxia. Agentes causais comuns incluem:

  • Antivenenos
  • Derivados de sangue
  • Agentes químicos
  • Fármacos:

    Antibióticos
    Antiinflamatorios
    Analgésicos
    Agentes de quimioterapia
    Anestésicos locais
    Bloqueadores neuromusculares
    Agentes radiopacos

  • Alimentos:

    Castanhas
    Mariscos

  • Picadas de insetos
  • Látex
  • Plantas


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

História de exposição à substância capaz de produzir anafilaxia associada com as seguintes manifestações clínicas:

  • hipotensão
  • broncoespasmo
  • obstrução de vias aéreas
  • edema pulmonar
  • angioedema
  • edema generalizado
  • prurido
  • rash
  • vômitos
  • diarréia
  • dor abdominal

Em alguns casos, a história de exposição pode não ser clara.


DIAGNOSTICO DIFERENCIAL

  • Ansiedade
  • Asma
  • Broncoespasmo ou edema de glote devido a inalação de gases irritantes.
  • Choque cardiogênico
  • Corpo estranho em vias aéreas superiores
  • Hipovolemia
  • Embolismo pulmonar
  • Reflexo vasovagal


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

Sendo a anafilaxia considerada uma situação de emergência, não são necessárias investigações biomédicas antes de iniciar o tratamento.


TRATAMENTO

Epinefrina (Adrenalina)
Epinefrina é o tratamento preferencial para anafilaxia e deve ser administrada o mais rápido possível, enquanto são estabelecidas medidas de suporte vital. É usualmente administrada via intramuscular, mas pode ser administrada via subcutânea em casos leves. Administração intravenosa está somente indicada em casos graves devido ao risco de arritmias ventriculares. Em pacientes entubados, instalação endotraqueal é possível se não houver acesso venoso disponível.

Observações sobre o tratamento com epinefrina:

  • A dose de epinefrina NÃO É uma ampola.
  • Em pacientes entubados, se a infusão intravenosa não é possível, instilação endotraqueal é uma alternativa possível.
  • Pacientes em uso de beta-bloqueadores podem precisar maiores doses de epinefrina.

Oxigênio
Oxigênio suplementar deve ser administrado em todos pacientes. Nos casos graves, especialmente aqueles com obstrução de vias aéreas, esta...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net