Médicos - Neurologista Itapetininga, São Paulo

Encontre médicos - neurologista em Itapetininga. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Rodrigo Plens Teixeira
(15) 3272-7220
Rua Sao Vicente de Paula 300
Itapetininga, São Paulo
Especialidade
Cirurgia Cranio-Maxilo-Facial

Dados Divulgados por
Eduardo Haruo Suguiama
(15) 271-8239
Rua Benjamin Constant 582
Itapetininga, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Edoardo Santino
(11) 3221-8671
Rua Visconde de Cairu 54 - Casa 6
Sorocaba, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Vanderlei Segatelli
(11) 3232-8624
Rua Cel Jose Pedro de Oliveira 710
Sorocaba, São Paulo
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Rafael Andrade Moscatiello
(11) 5532-1342
Av. dos Bandeirantes 3426 - Campo Belo
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Tania Regina de Oliveira
(15) 3272-2862
Benjamim Constant 556 - Casa
Itapetininga, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Mara Lucia Santino
(11) 3221-8671
Rua Visconde de Cairu 54 - Casa 6
Sorocaba, São Paulo
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Ricardo Manoel de Oliveira
(11) 3065-0800
Av. Brasil 1150
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Leonardo Parr S. Fernandes
(14) 2105-4560
R. Dr. Próspero Cecílio Coimbra 80 sala 5- 2° andar
Marilia, São Paulo
Especialidade
Medicina Interna

Dados Divulgados por
Carlos Eugenio Ventura Lopes
(11) 3707-1188
Rua Joaquim Floriano 72 - 15 Andar
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Médicos - Neurologista

Fornecido por: 

Epilepsia (palavra de origem grega que quer dizer atacar de surpresa), é uma afecção crônica do Sistema Nervoso Central, na qual o paciente é predisposto a apresentar episódios agudos de descarga excessiva, anormal e transitória de células nervosas (crises epilépticas).

Este quadro pode ou não ser acompanhado de Distúrbios do Comportamento ou Déficit das Funções Cognitivas. Para que se caracterize a epilepsia, o caráter repetitivo das crises é fundamental, ou seja, uma crise isolada não constitiu elemento para defini-la.

A Crise Epiléptica

É a manifestação clínica causada por uma descarga transitória, excessiva e anormal de células nervosas. Pode ser comparada a uma tempestade elétrica, ocorrendo num grupo de neurônios.

As descargas podem variar de local, extensão e severidade, o que leva a uma ampla diversidade de formas clínicas.

Os sinais e sintomas de uma crise epiléptica (distúrbios da consciência, dos movimentos ou da sensibilidade) refletem, portanto, a ativação da parte do cérebro afetada por esta atividade excessiva. Pode ser afetada apenas uma parte do cérebro (crise parcial ou focal) ou toda extensão dos dois hemisférios cerebrais (crise generalizada).

É importante lembrar que o termo disritmia, aplicado nesta área, não tem fundamento científico.

Q uem sofre com a Epilepsia

A grande variação nos dados obtidos sobre a epidemiologia da epilepsia deve-se à dificuldade de diagnóstico e ao preconceito que faz com que pacientes e familiares omitam o problema. A prevalência de epilepsia é estimada em 1 a 2% da população geral.

Considerando-se uma população de 150 milhões de habitantes para o Brasil, teríamos então, aproximadamente 1,5 milhão a 3 milhões de pacientes epilépticos. Pode-se, portanto, concluir, que a epilepsia se constitui em um importante problema de saúde pública.

A incidência varia consideravelmente de acordo com a idade, sendo que mais de 75% dos pacientes terão sua primeira crise antes dos 18 anos. A faixa mais acometida é a infantil, grande parte com menos de 2 anos de idade.Estima-se, também, que seja discretamente mais frequente no sexo masculino e em classes sociais mais baixas.

D iagnóstico

A determinação do diagnóstico de epilepsia requer investigação clínica criteriosa:

  • História clínica com descrição da crise;
  • Antecedentes pessoais (neurológicos e psiquiátricos);
  • Antecedentes familiares;
  • Exame clínico;
  • Exame neurológico;
  • Exames complementares, como:
  • Eletroencefalograma (EEG);
  • Tomografia computadorizada (TC);
  • Ressonância mag...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net