Pilates Franca, São Paulo

Encontre pilates em Franca. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Academia de Ginástica Conduct Fitness Ltda Me
(11) 5521-8737
av Washington Luís, 946
São Paulo, São Paulo

Dados Divulgados por
Academia Galpão de Musculação e Natação
(11) 4347-0540
r Albino Demarchi, 192, Jd Andrea Demarchi
Sao Bernado do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
Nossa Academia
(15) 3302-5536
r Jayme dos Santos, 362, Prq das Paineiras
Sorocaba, São Paulo

Dados Divulgados por
Multi Sports Academia de Natação e Ginástica Ltda
(11) 4332-9357
r José Monteiro Filho, 177, Jd Três Marias
Sao Bernado do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
VALE VERDE ACADEMIA
45814987 86111344
R. PROFª ADELAIDE PONTES LAUREANO, 173
JUNDIAÍ, São Paulo
 
União Long Fon Quan Kung Fu e Tai Chi Chuan
(19) 9113-8472
Rua do Tucura, 216 - Centro
Mogi Mirim, São Paulo
 
SwáSthya Yôga
(13) 3284-1020
Rua Dr Acacio Nogueira,16
Santos, São Paulo
 
Associação Esportiva Recreativa Billings Country Clube
(11) 4354-0052
etr Velha de Santos, 35500, Km 35,5, Jd Borda do Campo
Sao Bernado do Campo, São Paulo

Dados Divulgados por
lux
3263 57 85
rua baier fillho
tijucas, São Paulo
 
Ballet Sylphide/Pilates e fisioterapeuta - Cia de Dança e Artes.
4330-7109 ou 3907-1911
Rua Professor Jlmar Bowden, 70
São Bernardo do Campo, São Paulo
 
Dados Divulgados por

Pilates

Fornecido por: 

Pegue uma mangueira e dê alguns nós ao longo da sua extensão. Se estiverem frouxos, eles deixam alguma água passar. Mais apertados, viram pontos de estrangulamento. Se o esguicho estiver envelhecido ou com rachaduras, a água pode vazar através das suas paredes ou arrebentá-las.

A imagem, usada pelo médico Artur Beltrame Ribeiro, diretor do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica bem os efeitos da pressão alta, doença crônica que atinge cerca de 20% dos adultos no Brasil, o equivalente a 20 milhões de pessoas.

"É esse o resultado da elevação da pressão por anos a fio sobre as artérias, os canais condutores do sangue até os órgãos e tecidos do corpo", explica. Pode haver mais gente padecendo do problema. Dados da campanha de prevenção da Sociedade Brasileira de Hipertensão feita este ano sugerem que a moléstia talvez afete 25% a 30% dos adultos. Pior, a maioria não sabe disso. Ela é perigosa e está estreitamente relacionada a doenças cardiovasculares, como acidente vascular cerebral (derrame) e infarto, principais causas de mortes no Brasil.

Na contramão dessa estatística, é animador saber que o tratamento da hipertensão pode reduzir em 40% as chances de ocorrência de derrame e em 20% as de infarto.

Felizmente, a luta contra a pressão alta tem grandes chances de ser vencida. Os especialistas nunca tiveram tanta certeza como agora de que é possível controlá-la e trazê-la para níveis aceitáveis, iguais ou inferiores a 140 mmHg (milímetros de mercúrio) por 90 mmHg. Ou 14 x 9, como se diz popularmente. Nessa medida, é possível evitar suas consequências dramáticas, descritas no quadro na página anterior. "Não existe paciente que não dê resposta positiva ao tratamento bem indicado", explica o nefrologista Fernando Almeida, da PUC de Sorocaba (SP).

O ataque está sendo feito em várias frentes. Na área química, há pelo menos seis classes de remédios eficientes, muitos com efeitos colaterais (fraqueza, por exemplo) menos intensos. Mas não é só. Complexa, a hipertensão também está sendo esmiuçada nos laboratórios de genética. É uma trincheira essencial, pois a carga genética está na origem de mais de 90% dos casos. Só para se ter uma idéia, os filhos de hipertensos têm duas vezes mais chances de ter a doença. "No futuro, saberemos quais genes tornam uma pessoa sensível aos fatores de risco, o que ajudará a descobrir as medidas nas quais se deve investir para reduzir o problema", diz José Eduardo Krieger, cardiologista do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo.

Hoje, no entanto, uma das mais promissoras linhas de combate é a mudança de hábitos. Pesquisas indicam que trocar o sofá pela malhação ou o stress pela tranquilidade proporciona ganhos surpreendentes. Isso porque se fortalece a constatação de que a hipertensão está muito ligada ao estilo de vida.

Basta olhar para a lista dos principais fatores de risc...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net