Tratamento epilepsia Angra dos Reis, Rio de Janeiro

Pesquisadores constataram que a prática de esportes pode beneficiar os portadores de epilepsia. "Os neurocientistas explicam que, esses pacientes estão propensos a apresentar menos crises quando estão ativamente ocupados", destaca o autor. Conheça os detal Consulte a lista de especialistas da área, em Angra dos Reis.

Jorge Kede
225-6758
Av. Ns. de Copacabana 542 - 1009
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Salim Michel Yazeji
225-9304
R. Visc. de Piraja 577 - 501/502
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Suse Arnaut da C Eiras de Souza
2281-0744
R. Lucidio Lago 126 - 401
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Denise Vaz Garcia
(21) 2667-0114
Rua Doutor Paulo Froes Machado 68
Nova Iguacu, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Abouch Valenty Krymchantowski
(21) 2255-1055
Rua Siqueira Campos 43 - 1002 e 1003
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurologia

Dados Divulgados por
Roberto da Cunha Dias
223-4368
Pca. Saens Pena 45 - 402
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Ricardo Otranto Neto
226-0800
Av. Lobo Junior 695
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Rodrigo Alberto Tragante Silva
(21) 2287-7893
Rua Visconde de Piraja 351 - Ipanema
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Leonardo Garcia Martins
2495-5132
Av. Min. Ivan Lins 480 - 213
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Rene Dottori Leibinger
3296-5353
Av. D. Helder Camara 5555 - 311
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Especialidade
Neurocirurgia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamento epilepsia

Fornecido por: 

Esportes podem ajudar pessoas com epilepsia.

Em artigo publicado no Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology, especialistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) procuram derrubar o preconceito criado em torno da prática de alguns esportes de contato, como o judô, entre os indivíduos com epilepsia, uma doença que afeta 1 % da população mundial.

De acordo com os profissionais, vários estudos apontam os benefícios da atividade física a esses pacientes. Apesar da recomendação pela prática esportiva, o estigma persiste e as pessoas com epilepsia ainda continuam menos ativas que a população geral.

Apesar dos inegáveis benefícios dos exercícios físicos para a saúde, uma atitude superprotetora em relação às pessoas com epilepsia normalmente evita a participação em atividades esportivas, por medo de que o exercício desencadeie crises ou provoque lesões durante a prática. Entretanto, vários estudos têm sugerido que o exercício confere um efeito protetor a esses pacientes, reduzindo a atividade epiléptica.

Os neurocientistas Ricardo Mario Arida, professor adjunto do Departamento de Fisiologia, e Fulvio Alexandre Scorza, professor adjunto da Disciplina de Neurologia Experimental e judoca sênior, explicam que esses indivíduos estão propensos a apresentar menos crises quando estão ativamente ocupados e que poucas crises ocorrem durante a atividade mental e física, quando comparadas com períodos de repouso.

A associação entre exercício e sensação de bem-estar tem sido freqüentemente atribuída ao aumento do neurotransmissor beta-endorfina no sistema nervoso central, atuando, assim, como anticonvulsivante”, afirma Scorza. “Além disso, os indivíduos com epilepsia podem ter os mesmos benefícios de um programa de treinamento físico que qualquer pessoa, como o aumento da capacidade aeróbia e cardiopulmonar, redução de peso e de gordura corporal e aumento da auto-estima”.

De acordo com os pesquisadores, não existe uma freqüência de crises padrão para suspender ou contra-indicar a prática de exercícios. “Se o paciente apresentar crises semanais, por exemplo, o médico pode suspender a prática”, diz Arida. “Por outro lado, se o paciente tiver várias crises naquele mês e depois passar outros seis meses sem crises, os exercícios são indicados”. O mais importante, segundo os pesquisadores, é que o médico esteja ciente das atividades esportivas adequadas para cada tipo de paciente.

Judô X epilepsia

Arida e Scorza ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net