Problemas respiratórios Porto Velho, Rondônia

Conheça as recomendações do imunologista Antônio Condino Neto para evitar as doenças comuns de inverno. Aprenda a se prevenir contra doenças respiratórias. "Os cuidados para evitar o ressecamento nasal são importantes para o conforto do paciente", ele diz. Consulte a lista de especialistas da área, em Porto Velho.

Estação Saude
(69) 3211-7143
Av Calama 2615
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Pauzanes de Carvalho Fl DR Neurologista
(69) 221-5007
r Paulo Leal, 399, Centro
Porto Velho, Rondônia
 
Moto Clube
(69) 221-8000
r Quintino Bocaiuva, 1126, São Cristóvão
Porto Velho, Rondônia
 
Fundação DR Ribamar Araújo
(69) 212-0313
r Amazonas, 3409, Nossa Senhora Das Graças
Porto Velho, Rondônia
 
José Odair Ferrari
(69) 224-3663
r Paulo Leal, 393, Centro
Porto Velho, Rondônia
 
Estação Saude
(69) 3211-7143
Av Calama 2615
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Victor Sadeck Fl
(69) 221-8490
r Duque de Caxias, 436, Centro
Porto Velho, Rondônia
 
Alcimar Dantas
(69) 224-5356
r Carlos Gomes, 1056, Cidade Do Lobo
Porto Velho, Rondônia
 
Eduardo Wanssa
(69) 221-0917
r 15 de Novembro, 2164, Caladinho
Porto Velho, Rondônia
 
Joviano Alves Macedo
(69) 223-2791
r José Bonifacio, 727, Caiari
Porto Velho, Rondônia
 
Dados Divulgados por

Problemas respiratórios

Fornecido por: 

Pediatra dá dicas sobre problemas respiratórios no inverno.

Todos os anos, durante o inverno, aumenta o número de pessoas com problemas respiratórios. As temperaturas mais baixas elevam em cerca de 60% a incidência de resfriados, gripes e infecções respiratórias e piora das alergias respiratórias. “O tempo seco e frio, aliado à poluição ambiental e ao maior confinamento em ambientes fechados e pouco arejados, faz com que as pessoas com asma ou rinite tenham crises mais freqüentes e intensas”, diz o médico Antônio Condino Neto, pediatra da Unicamp e imunologista da USP.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que existam de 100 a 150 milhões de pessoas com asma no mundo. Segundo a Academia Brasileira de Rinologia (ABR), cerca de 30% da população brasileira sofre de rinite alérgica e a taxa de pacientes com acometimento de doenças respiratórias (incluindo as doenças infecciosas) pode chegar a 50%.

Alguns sintomas como narinas irritadas, sensação de ressecamento nasal e até sangramento do nariz podem afetar qualquer pessoa, especialmente aquelas com histórico de rinite alérgica. “Esses sintomas podem piorar os problemas respiratórios e, em alguns casos, aumentar o risco de infecções”, afirma o especialista.

Segundo Condino, quando a mucosa do nariz está desidratada, a freqüência dos batimentos mucociliares – fina camada de cílios microscópicos que reveste a parte interna do nariz – fica paralisada e não desempenha sua função de filtrar o ar que entra no organismo. Os anticorpos e proteínas antimicrobianas presentes no muco nasal têm sua eficácia reduzida frente ao ressecamento nasal. “Como resultado, o sistema respiratório fica mais exposto aos componentes tóxicos ou irritantes presentes no ar (fumaça de automóveis, das indústrias e de cigarros), aos microorganismos inalados (vírus, bactérias, alérgenos) e à agressividade do ar-condicionado e do clima seco ou frio”, explica o médico.

Para manter as vias aéreas livres de impurezas é recomendada a limpeza nasal, cerca de quatro vezes ao dia, com solução ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net