Psiquiatras Porto Velho, Rondônia

Encontre psiquiatras em Porto Velho. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

CAE-Centro de Atendimento Especializado
(69) 3224-2955
r Abunã, 2914, Liberdade
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Consultório Psicologia Dra Dione Pesanha
(69) 3223-7446
r Abunã, 1796, São João Bosco
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Psicóloga-Iris Lúcia Caye Oliveira
(69) 3223-9896
r Sen Álvaro Maia, 1747, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Terapia Integrada
(69) 3221-6281
r Rogério Weber, 2621, Caiari
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Instituto Integrar
(69) 9978-9024
r Julio de Castilhos, 269 Sala 206
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Talentos Humanos - Consultoria e Treinamento Ltda
(69) 3223-2137
av Campos Sales, 2186, An 1, Areal
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Clínica de Psicologia e Psicomotricidade Dr. João Guilherme Rodrigues Mendonça
(69) 3229-9412
r Tenreiro Aranha, 2272, Centro
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Conselho Regional Psicologia I Região
(69) 3224-3321
av Calama, 2300, Arigolândia
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Consultório de Psicologia
(69) 3224-2374
r Tenreiro Aranha, 3000, Olaria
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Centro de Desenvolvimento Humano
(69) 3026-6491
av Rafael Vaz Silva, 1451, Nossa Sra. das Graça
Porto Velho, Rondônia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Psiquiatras

Fornecido por: 

Estima-se que 17% dos adultos sofrem ou já sofreram de depressão. Por ser facilmente confundido com um eventual estado de mau-humor ou um desânimo natural, o problema não é prontamente detectado. De fato, há uma diferença entre ser depressivo e estar depressivo. Mas a depressão é considerada uma doença, e como tal, exige um tratamento específico.

Um grupo do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas de São Paulo pesquisa desde 2000 novos tratamentos para doença que utilizam a estimulação magnética transcraniana como metodologia. Convencionalmente são receitados medicamentos específicos para depressão e nos casos mais graves é empregada a eletroconvulsoterapia (ECT) - cuja atuação se dá por meio de choques elétricos. Mas as novas formas de tratamentos propostas não têm nada a ver com choques elétricos.

A estimulação magnética transcraniana atua no cérebro do paciente através da liberação de uma grande quantidade de energia. Por vinte minutos, ele é submetido a uma tensão de cerca de 4 mil volts e um intensidade de 5 mil ampères, liberados em 0,2 milissegundos - o que constitui um campo magnético semelhante ao de um aparelho de ressonância magnética, entre 1,5 e 2,0 tesla. Mas esses dados podem variar de acordo com as particularidades de cada paciente.

O Dr. Marco Antonio Marcolin, responsável pelas pesquisas, explica que os estímulos atravessam o escalpo e o osso do crânio, atingido o cérebro sem causar dor ao paciente. No cérebro, a alternância desse campo magnético (ligado e desligado por várias vezes) gera uma corrente elétrica paralela à corrente elétrica primária, mas em sentido contrário. A região estimulada é chamada "córtex dorso-lateral pré-frontal esquerdo" - estudos de imagem verificaram hipoatividade nesta parte do cérebro em pacientes de depressão. Marcolin ressalta que a estimulação magnética transcraniana praticamente não apresenta efeitos colaterais. "Alguns pacientes se queixam de uma leve dor de cabeça após a sessão. Outros efeitos são muito brandos e transitórios".

O novo processo pode ser usado tanto como opção para pacientes refratários ao medicamento, como para redução do tempo de tratamento da doença. Marcolin diz que os antidepressivos podem levar até 8 semanas para começar a surtir efeito no paciente, mas salienta que a estimulação magnética transcraniana acelera esse processo e reduz o tempo de tratamento. Marcolin acrescenta que o grupo do IPq é pioneiro a nível mundial no estudo da aceleração do efeito de antidepressivos. Em janeiro deste ano, um artigo deste estudo foi publicado pela revista Biological Psichiatry.

Atualmente estão sendo realizados testes de eficácia da estimulação magnética transcraniana em ambiente exclusivo de pesquisa. De acordo com o Marcolin, muitos anos ainda separam este novo tratamento de sua aplicação clínica, mas alguns esforços já podem ser feitos nesse sentido. "Talvez esteja chegando a hora de sug...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net