Tratamento de Hipomagnesemia Parnamirim, Rio Grande do Norte

Encontre tratamento de hipomagnesemia em Parnamirim. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Maria do Socorro S.G. da Silva
(84) 3222-3508
Rua Potengi 467
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Nubia Eleonora D de Medeiros
(84) 3212-1222
Av. Campos Sales 847
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Maria Elaine F. de Farias
(84) 3211-9333
Av. Campos Sales 782
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Zelia Maria Silva de Assis
(84) 3211-8448
Citopatologia Ginecologia e Obstetrícia
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
CCI-Cinésio Clínica Integrada
(84) 3206-3086
av Rui Barbosa, 14
Natal, Rio Grande do Norte

Dados Divulgados por
Natal Hospital Center
(84) 4009-1000
Afonso Pena 754
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Marlize de a Romano
(84) 3133-3400
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Maria do Socorro Santos G Silva
Rua Potengi 467
Natal, Rio Grande do Norte
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Centro Clínico Ponta Negra
(84) 3219-5651
av Praia Ponta Negra, 8892
Natal, Rio Grande do Norte

Dados Divulgados por
Centro Clínico do Cidadão
(84) 3223-0964
av Pres Bandeira, 513 B Alecrim
Natal, Rio Grande do Norte

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Tratamento de Hipomagnesemia

Fornecido por: 

Hipomagnesemia

DEFINIÇÃO

Concentração de Magnésio sérico abaixo da variação normal de 0.8 a 1.2 mmol/L, 1.6 a 2.4 mEq/L ou 2.0 a 2.6 mg/dL.


CAUSAS TÓXICAS

  • Alcoolismo
  • Anfotericina
  • Aminoglicosídeos
  • Beta agonistas
  • Cisplatina
  • Ciclosporina
  • Diuréticos
  • Ácido fluorídrico
  • Laxantes
  • Pentamidina
  • Teofilina


CAUSAS NÃO-TÓXICAS

  • Perda renal congênita de Magnésio
  • Diabetes mellitus
  • Hiperparatireoidismo
  • Hipertireoidismo
  • Ingestão inadequada de Magnésio
  • Pancreatite
  • Hiperaldosteronismo primário
  • Diarréia prolongada
  • Drenagem gástrica prolongada
  • Transplante renal
  • Nutrição parenteral total


MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

As manifestações clínicas são inespecíficas, variáveis e não são muito bem  correlacionadas com a concentração sérica de Magnésio. Inicialmente, anorexia, náusea, vômitos, letargia e fraqueza podem ocorrer. Os principais sintomas da  deficiência de Magnésio consistem em parestesia, cãimbras musculares, irritabilidade, diminuição da atenção e confusão mental. Alterações físicas refletem a associação com hipocalcemia e pode incluir sinais de Trousseau e Chvostek positivos, tremores, hiperreflexia, movimentos peculiares dos dedos descritos como " tetania atetóide" e, algumas vezes, convulsões.

Arritmias cardíacas, distúrbios de condução, fibrilação ventricular e parada cardíaca podem ocorrer em pacientes com hipocalemia coexistente.


DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

  • Hipocalcemia
  • Hipocalemia
  • Alterações neurológicas que aumentam os reflexos tendinosos profundos (atrofia muscular primária progressiva)
  • Convulsões devido a outras causas


INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

  • Magnésio sérico
  • Cálcio e Fósforo séricos
  • Sódio, cloro e bicarbonato séricos
  • Testes de função renal (uréia, creatinina)
  • ECG
  • Gasometria arterial


TRATAMENTO

No tratamento da deficiência de Magnésio, é importante detectar e corrigir quaisquer deficiências associadas de Potássio e Cálcio.

Na deficiência de Magnésio leve, a recuperação dos estoques do organismo ocorre rapidamente após receber dieta rica em Magnésio. Em casos de deficiência mais grave, a administração de Magnésio parenteral é segura e efetiva, mas deve ser usada  cuidadosamente em pacientes com insuficiência renal.

A administração de Magnésio por via oral pode causar diarréia.


EVOLUÇÃO CLÍNICA E MONITORIZAÇÃO

O tratamento da hipomagnesemia moderada à grave deve incluir admissão hospitalar com monitorização hemodinâmica, estado neurológico e eletrólitos séricos.

Durante o tratamento de reposição, o Magnésio sérico e reflexos tendinosos profundos devem ser monitorizados cuidadosamente, especialmente em pacientes com insuficiência renal. Se o paciente se tornar fraco ...

Clique aqui para ler este artigo em Saude em Movimento

Termos e Condições | Política de Privacidade
Fonte do texto: Saúde em Movimento
Banco de dados de médicos e clínicas: Doctoralia
Obs.: Se seu nome aparece no nosso cadastro e deseja que o tiremos, favor entrar em contato com support@nsphere.net